Juliana Ribeiro e Carolina França falam sobre suas conquistas e dificuldades no basquetebol feminino

Juliana e Carolina são atletas de basquetebol que possuem conquistas a nível estadual e nacional no esporte. Com seus 25 e 26 anos, respectivamente, as atletas conquistaram a oportunidade de atuar profissionalmente na equipe Sodiê Doces/LSB RJ, criada pela Liga Super Basketball (LSB) em 2019. Hoje vamos contar um pouco mais sobre o início no esporte, a trajetória em quadra dessas atleta e as dificuldades de ambas para se manterem no meio do basquete.

Juliana Ribeiro iniciou sua história nas quadras com 12 anos jogando no time pré-mirim do Tijuca Tênis Clube. O esporte proporcionou à atleta uma bolsa de estudos de 100% em um colégio particular, onde teve oportunidade de atuar em diversas competições. A atleta também integrou diversos clubes como o Clube Municipal, onde jogou o Campeonato Sul-Americano de Basquetebol Feminino, e também na Mangueira, onde pôde dividir quadra com grandes talentos do esporte. Na sua trajetória completa já jogou campeonatos estaduais, foi convocada para seleção carioca, e também para seleção brasileira, onde chegou a jogar até em Madrid (Espanha) em 2013. Atualmente, é ala-pivô da equipe profissional de basquetebol feminino Sodiê Doces/LSB RJ.

Juliana vestindo a camisa 12 da equipe profissional Sodiê Doces/LSB RJ

Companheira de quadra de Juliana, a atleta Carolina França também tem uma lista longa de conquistas no esporte. Descoberta com 13 anos por um técnico de basquete de um colégio particular, a jogadora conquistou bolsas integrais devido ao seu basquetebol em todos os colégios e faculdades que passou. Se federou em 2010 pelo Clube da Mangueira, onde participou do Campeonato Estadual no mesmo ano. Em sua trajetória conquistou o primeiro lugar do Campeonato Brasileiro Universitário 2019, representando a primeira conquista do Rio de Janeiro no campeonato após 13 anos. Ficou em segundo lugar com seu time no Campeonato Brasileiro Estudantil ocorrido em Curitiba e, nos campeonatos da LSB, conquistou o prêmio individual de Melhor Ala do Campeonato Estadual Amador 2012. No ano passado, a atleta começou a atuar profissionalmente juntamente com Juliana Ribeiro.

A atleta Carolina França vestindo a camisa 6 da Sodiê Doces/LSB RJ.

A equipe profissional adulta na qual as atletas atuam no momento (Sodiê Doces/LSB RJ) visa recuperar o basquetebol feminino no Rio de Janeiro, dar oportunidade e espaço para mulheres no esporte e abrir caminho para que as futuras gerações  também possam realizar seus sonhos em quadra. Sobre isso, as atletas contam ser uma responsabilidade enorme e também um grande sonho.

“A sensação de estar na Sodiê Doces/LSB RJ é literalmente sonho, parece que a ficha ainda não caiu de estar em um time profissional e adulto. É uma grande conquista nossa, porque fizemos por merecer e o intuito do projeto torna tudo um sonho em dobro, não é só uma realização pessoal, mas também uma forma de abrir caminho para uma menina realizar o seu sonho no futuro.”, contou Carolina França.

Sobre a responsabilidade, Juliana contou que foi um ano de muito aprendizado e adaptação.

“No ano passado eu aprendi muito sendo uma atleta profissional, foi uma grande adaptação. Tivemos ajuda dos nossos diretores, psicólogos e profissionais da mídia para saber como se portar em uma entrevista, etc. Foi uma oportunidade e responsabilidade enorme poder jogar com pessoas que você vê na televisão, saber que você pode chegar no nível daquelas atletas. Além disso, a equipe de cientistas de dados me proporcionou um aprendizado que eu não tive em 10 anos de basquetebol como lances que aumentam as possibilidades de cesta ou como quando arremessar ou não. Esse ano na equipe me proporcionou coisas inimagináveis, é muito bom ser atleta do time.”, relatou Juliana Ribeiro

Mesmo com tanto talento e as grandes conquistas dessas mulheres, o basquetebol feminino ainda não é reconhecido ou valorizado no país. O investimento, os patrocínios e recursos são muito poucos e insuficientes e, por isso, o basquetebol profissional feminino não pode ser a única fonte de renda dessas atletas. Muitas precisam se dividir entre trabalhar, estudar e jogar. Ser mulher nas quadras ainda é uma luta difícil e diária e, para Juliana Ribeiro, o que mais pesa é a falta de reconhecimento.

“Sobre jogar e trabalhar, me acho uma mulher guerreira e me sinto orgulhosa de ter no meu time outras mulheres como eu. Eu acredito que se eu pudesse me dedicar 80% para o basquete eu seria outra jogadora, mas também acredito que todos os sacrifícios serão reconhecidos uma hora! Minha vida sempre foi assim, sou negra, moro em comunidade, tenho 26 anos, já sou formada e jogo basquete profissionalmente. Sigo minha vida com muito orgulho do que sou e do que me tornei para minha família. Só queria mesmo reconhecimento e voz para o basquete feminino.”, contou a ala/pivô Juliana.

Para Carolina França o problema se resume em duas palavras: investimento e credibilidade.

“As maiores dificuldades eu posso resumir em investimento e credibilidade, porque quem têm poder para fazer o basquete feminino crescer não se importa, não confia e não investe. Não dá para viver de esporte no país, não por culpa do clube, mas pela falta de investimento dos patrocinadores. É muito suado para eles conseguirem o pouco que já temos e o feminino não tem nem 1/3 da estrutura e investimento que o masculino tem. Eu acho que o Brasil é uma fábrica de talentos em diversos esportes, mas falta muito investimento. Mulheres que se destacam precisam fazer mais que o triplo do que um jogador homem faz e o retorno é sempre desproporcional.”, desabafou Carolina.

Neste ano a equipe jogaria a Liga de Basquete Feminino (LBF) representando o Rio de Janeiro, entretanto, com a pandemia do Novo Coronavírus, o campeonato de 2020 foi oficialmente cancelado nesta semana. Mesmo com o desânimo pela falta de perspectivas para o futuro, desistir não é uma opção para nenhuma das duas jogadoras. Sobre isso, Carolina França mandou um recado para todas as outras atletas.

“Não desanimem, tenham fé. É uma fase, um momento atípico que estamos vivendo. O sonho não acabou, ele só foi prorrogado”, falou a atleta.

Genialidade nas quadras: a experiência da Jennifer Sirtoli e o gás da Adrielly Francisco

Ser campeão no esporte não é uma tarefa fácil para ninguém, muitos atletas enfrentam obstáculos e pensam em desistir antes mesmo de chegar ao topo. A experiente Jennifer Sirtoli e a destemida Adrielly Francisco são atletas da Sodiê Doces/LSB RJ que persistiram e hoje se tornam inspiração para todos aqueles que estão no início. Suas histórias de perseverança e luta, fazem com que os atletas da nova geração continuem acreditando que é possível conquistar o mundo.

Jennifer Sirtoli à esquerda e Adrielly Francisco à direita.

Jennifer Sirtoli tem 27 anos, é de em Caxias do Sul e chegou à LSB no começo de 2020. A atleta começou a jogar basquete com sete anos de idade no time Galópolis junto com as irmãs em 2000. Até os 15 anos participou de campeonatos estaduais nas seleções gaúchas, e em 2007 teve sua primeira convocação para Seleção Brasileira de base, onde conheceu o preparador físico do Finasa/Osasco, Leonardo Cursino; ao final do ano, Jennifer recebeu o convite para fazer parte da equipe, e então começou sua carreira em São Paulo, jogando campeonatos paulistas, regionais e abertos.

Em 2009, foi convocada pela Seleção Brasileira Sub-17 para disputar o Sul-americano no Chile, onde foi campeã. Um ano depois, foi chamada para a equipe Sub-18, onde disputou o Sul-americano em Medellín, na Colômbia, conquistando novamente o primeiro lugar do pódio.

Após experiência com o selecionado nacional, teve uma breve passagem pelo Maranhão, em 2011; nos dois anos seguintes, jogou o paulista A2 em Rio Claro, onde foi selecionada para participar da Universiade em Kazan, na Rússia. Quando retornou, acumulou passagens por Ribeirão Preto, Franca, Catanduva e São Bernardo, onde sofreu séria lesão, ficando fora de toda temporada.

Em 2020, Jennifer chega à LSB com muita certeza de que tudo vai dar certo, mesmo com a pandemia do novo coronavírus a atleta acredita que o foco e a dedicação de todas farão a diferença nas competições.

“Acredito que essa pandemia pegou todo mundo de surpresa. Fez todo mundo parar os treinos, ter que voltar pra casa. Mas eu estou muito feliz de poder fazer parte da equipe. O mês que fiquei no rio as gurias e a comissão técnica me receberam super bem. E desde o primeiro treino a dedicação, o foco no objetivo sempre foi muito claro. A gente sabe que o campeonato não vai ser fácil, mas acredito que cada uma do time vai buscar o seu melhor a cada treino e a cada jogo tentar se superar. E espero poder ajudar um pouco com a minha experiência.Tentar passar pra elas um pouco do que aprendi nesse tempo de basquete, para que a equipe toda evolua junto. Elas comigo, eu com cada uma delas e toda nossa comissão técnica.”

Jennifer Sirtolli, Ala/Pivô na LSB.

Adrielly Francisco é natural do Rio de Janeiro, tem 18 anos e este ano faz sua primeira participação na LBF (adulto). A atleta desde pequena já era incentivada a buscar um esporte devido à sua altura. Começou no atletismo, mas sua treinadora viu que o Basquete era a melhor opção. Com 12 anos Adrielly foi apresentada à um projeto social na Mangueira, onde apaixonou pelo esporte. Ainda aos 15 anos foi convocada pela Seleção Sub-18, participando do Sul-americano, conquistando o segundo lugar. Em 2019 foi selecionada para a Sub-17 e conquistou também o vice campeonato Sul-americano em Medellín na Colômbia. Voltando da Colômbia Adrielly jogou no Bradesco em São Paulo por oito meses, depois retornou ao Rio e ficou um período sem jogar. Um tempo depois a atleta recebeu um convite para passar 15 dias treinando com as meninas da seleção brasileira em um momento complicado da sua vida, o que foi de extrema importância para dar a volta por cima.

Entre idas e vindas, o convite da LSB veio no final de 2019.  A jovem é a atleta mais nova da equipe,  e disputa a Liga adulta pela primeira vez. A atleta espera retribuir todo o apoio com muita dedicação e suor em quadra.

“Minhas expectativas são as melhores possíveis, pois sou grata e estou muito feliz de está na LSB, pra mim é um aprendizado está na liga adulta, com meninas de mais idade, e mais experiente. Tenho expectativa de aprender mais a cada dia mais e dar tudo de mim para ajudar a equipe. Meu gás sempre será o melhor possível, minha vontade de jogar é imensa e sempre farei de tudo para está 100℅ bem e com garra para que eu possa acrescentar e somar com a equipe.”

Adrielly Francisco, Pivô na LSB.

Jogadores destaques da LSB: conheça a trajetória da atleta e mãe Thayná Silva

Thayná Silva começou a jogar basquete em um projeto de aulas em Padre Miguel se inspirando em sua irmã mais velha. Em 2009 foi revelada pelo time da Mangueira, onde começou a jogar com seus 13 anos de idade. A atleta participa de campeonatos da Liga Super Basketball desde 2017 e, atualmente, faz parte da equipe feminina fundada pela Liga: Sodiê Doces/LSB RJ. Em seus anos de trajetória na LSB se tornou uma jogadora destaque em quadra.

A atleta vestindo a camisa 16 da Sodiê Doces/LSB RJ

Com seus 24 anos a atleta já protagonizou muitas conquistas. Em São Paulo, foi destaque do elenco do ABC Paulista e voltou ao Rio de Janeiro em 2016. No ano seguinte começou a jogar campeonatos da LSB pelo Novo Basquete Rio (NBR) e encerrou o Feminino 2017 como a jogadora com a maior média de pontos (20,5), maior média de arremessos convertidos (8,3) e maior média de rebotes ofensivos (5,5).

Em 2018, Thayná jogou a Liga de Basquete Feminino (LBF) pelo time São Bernardo e, além de ter sido a segunda maior pontuadora (média de 19,2), foi a jogadora com a maior eficiência do campeonato (20,8). Ao fim do torneio foi escolhida pelo público para jogar o Jogo das Estrelas, onde fez jus a cada um dos votos recebidos. Com sua excelente temporada, a atleta conquistou dois prêmios individuais: Revelação e Quinteto Ideal da temporada.

A atleta convertendo 2 pontos de bandeja

No ano passado (2019), Thayná realizou seu sonho de virar mãe e teve a pequena Aylla de apenas 7 meses. Agora em 2020, a jogadora foi anunciada pela Sodiê Doces/LSB RJ e revelou estar muito ansiosa para voltar às quadras.

Sobre ser mãe, a atleta contou que está sendo uma experiência incrível e que ela e a filha são muito grudadas.

“Deus me deu uma gravidez maravilhosa, descobri no início de 2019. Os dias são agitados, ela está engatinhando por tudo agora e é muito grudada em mim. Com a pandemia, estamos mais agarradas ainda e estou aproveitando muito cada fase. Está sendo uma experiência incrível.”, revelou a mãe da Aylla.

A jogadora também comentou sobre a divisão entre as quadras e a maternidade, onde revelou ser uma mãe bastante preocupada, mas saber dividir bem os momentos. Além disso, revelou estar muito ansiosa para voltar a jogar e ver sua filha a assistir da arquibancada.

“No começo desse ano cheguei a treinar com a equipe e dividi a maternidade e o treino. Eu sou muito preocupada e mandava mensagem a cada segundo perguntando pela Aylla. Voltar a treinar vai ser difícil porque eu vou ficar com saudades dela e ela de mim, mas a gente vai se acostumando de acordo com a criação e a rotina. Consigo dividir bem isso, em quadra parece que tenho um apagão e foco apenas no jogo, não penso em mais nada. Não vejo a hora de voltar para as quadras, bater bola, correr e ver a Aylla me assistir da arquibancada.”, contou a ala do time.

Thayná e sua filha Aylla de 7 meses

Em Janeiro desse ano, Thayná começou os treinos pela Sodiê Doces/LSB RJ e em Março estreiaria em quadra na LBF representando o Rio de Janeiro. Entretanto, com a pandemia, o campeonato foi suspenso na primeira semana e o time não chegou a competir. Sobre o futuro no time, a atleta declarou estar ansiosa pela volta e muito feliz pela oportunidade.

“A LSB me abriu portas, me fez acreditar que meu basquete pode ir muito além do que eu imagino, é um campeonato muito bom. Infelizmente, ainda não tive a oportunidade de competir pelo time, mas estou com muita sede de jogo, o time também, ficamos só no gostinho (risos). Quero abraçar essa oportunidade de jogar no Rio de Janeiro agora com a minha filha, o que mais almejo é voltar, quero muito jogar”, revelou a atleta.

 

Sodiê Doces e LSB juntas na campanha “Sodiê e Você pelo bem”

A Sodiê doces, considerada atualmente a maior franquia especializada em bolos artesanais do país, lançou em maio, a campanha solidária “Sodiê e você pelo bem”.

O objetivo da campanha é arrecadar alimentos não perecíveis, produtos de higiene e limpeza, máscaras e álcool gel 70%, que serão doados às famílias que estão em uma situação difícil devido à pandemia do novo coronavírus.

A campanha já deu largada com uma doação de 10 toneladas de alimentos, que foi feita pela fundadora da marca, Cleusa Maria da Silva. Mas a intenção é conseguir triplicar esse número em 30 dias.

E é claro, que a LSB não ficaria de fora e participou dessa campanha solidária. No sábado, 06 de junho, representada pelos seus gestores Marcos Guinancio e Guilherme Simões, a Liga entregou na unidade Tijuca no Rio de Janeiro, as doações de alimentos que a equipe Sodiê Doces LSB arrecadou com seus colaboradores.

Equipe LSB na Sodiê Doces.

O mascote da equipe, Locão James também esteve presente no local com sua malandragem carioca levando alegria e divertindo a todos.

Locão James na Sodiê Doces.

O gestor Marcos Guinancio falou da importância em colaborar com a arrecadação nesse momento difícil de pandemia;

“A Sodiê Doces é a patrocinadora da equipe feminina da LSB e conhecendo a história da empresa sabíamos que, mesmo diante de muitas dificuldades, estariam engajados em prover ajuda a quem precisa. Ficamos muito felizes de poder contribuir contando com os nossos colaboradores e amigos para essa campanha. Agradecemos a Deus por nos permitir ajudar dentro das nossas possibilidades, torcendo para que possamos sair muito mais fortes como sociedade.”

Guilherme Simões, também gestor da Liga, falou um pouco sobre como foi participar desta campanha;

“Contribuir e estimular a contribuição dos nossos parceiros e colaboradores foi um grande prazer. Até por que, quando criamos a LSB, esse era um dos propósitos: ajudar as pessoas através do Basquete. Acho que a campanha da Sodiê Doces foi fundamental pra ajudar milhares de pessoas e nós não poderíamos ficar de fora.”

 

Equipe Sodiê Doces e Locão James.

A Sodiê Doces/LSB RJ é uma equipe feminina de basquetebol fundada pela Liga Super Basketball que conta com os patrocínios da Sodiê Doces e da WA Sports.

 

Dia de TBT: a trajetória espetacular da Sodiê Doces/LSB RJ e a preparação para as próximas conquistas

Em 2019, a Liga Super Basketball (LSB) que promove campeonatos de basquete feminino e masculino pelo Rio de Janeiro, resolveu criar uma equipe feminina: Sodiê Doces/LSB RJ. Reunindo atletas de diferentes times, a ideia era disputar a Liga de Basquete Feminino (LBF), um campeonato nacional, representando o Rio de Janeiro. Desde então, a equipe vem crescendo e buscando cada vez mais conquistas.

Campeonatos e títulos

O time formado por atletas sem experiência em torneios profissionais adultos, estreou na LBF e surpreendeu a todos conquistando 3 vitórias no campeonato nacional. Além disso, a equipe feminina fez o Rio de Janeiro voltar a competição após mais de 8 anos sem ser representado e finalizou em 9° lugar.

Sodiê Doces/LSB RJ comemorando a vitória após disputa da Liga de Basquete Feminino 2019.

No mesmo ano, as atletas da Sodiê Doces/LSB RJ Thainá Andrade, Mayara Crystina, Joyce Pinheiro e Rayane Sant’Anna disputaram o Campeonato Brasileiro de 3×3 na categoria sub-23 feminino e conquistaram o primeiro lugar. Thainá, cestinha do torneio, foi convocada para a seleção brasileira de 3×3 sub-23 feminina, onde disputou até mesmo no Catar.

Após representar o estado carioca na liga nacional, o time herdou a vaga e ganhou o direito de representar o Brasil na II Liga Sul-Americana de Clubes de Basquete Feminino 2020. O campeonato ocorreria no Chile e teria início em Abril deste ano. Entretanto, com o cenário mundial de pandemia devido ao Novo Coronavírus, a Liga foi suspensa, a princípio, para 2021.

Ainda em 2020, o time com novas contratações promissoras, seguiria representando o Rio de Janeiro na Liga de Basquete Feminino 2020, que se iniciou em março desse ano, porém o campeonato está suspenso desde 13/03/2020 devido a Covid-19 e ainda não se sabe se voltará a ocorrer este ano.

Além disso, um outro título, que não poderia ficar de fora, é o mascote da equipe Locão James, eleito melhor mascote do Brasil em 2019.

O mascote Locão James e seu título de melhor mascote do Brasil de 2019

Em busca de novas conquistas

Sem a confirmação da ocorrência dos campeonatos, o time vem se preparando mesmo de dentro de suas casas para a possibilidade de representar o Brasil na II Liga Sul-Americana de Clubes e de representar o Rio de Janeiro na LBF 2020 quando a pandemia acabar. Raphael Zaremba, técnico da equipe, contou que a comissão vem fazendo o possível, mas que o planejamento é um ponto prejudicado diante das incertezas.

“A gente está, dentro do nosso alcance, se mantendo em atividade e mantendo as meninas o mais preparadas possível para jogar na hora que essa situação se resolver. A gente só não sabe quando vai ser isso, o que dificulta bastante o planejamento.”, declarou o professor.

Comissão técnica 2020 da Sodiê Doces/LSB RJ

Além disso, Raphael detalhou como está sendo feito o trabalho adaptado na parte física, psicológica, técnica e tática da comissão.

“A gente tem a Júlia Crespo que é a psicóloga da equipe e está mantendo reuniões semanais com as atletas. Temos o Bruno Space que é o assistente técnico e está dando treinos técnicos por chamadas de vídeos sobre a parte com bola como dribles, manuseio e etc. Além disso, temos o preparador físico Fábio Passos que vem fazendo o acompanhamento com treinos individuais e coletivos para fazerem em casa, além de alguns por chamadas de vídeo. E tem eu que fico encarregado de pesquisar vídeos e mandar para as meninas estudarem alguns conceitos. Enquanto comissão técnica estamos trabalhando cada um numa frente.”, contou o técnico da equipe.

Diante de um momento tão delicado, as atletas vem se mantendo com o apoio da comissão técnica, que está fazendo um trabalho impecável visando mantê-las não só física, mas também psicologicamente preparadas. Assim, quando tudo isso passar, a equipe busca realizar cada vez mais conquistas, assim como já vem realizando ao longo do último ano.

As atletas, a comissão técnica e o mascote Locão James da equipe Sodiê Doces/LSB RJ.

A Sodiê Doces/LSB RJ é uma equipe feminina de basquetebol fundada pela Liga Super Basketball que conta com os patrocínios da Sodiê Doces e da WA Sports.

Sodiê Doces/LSB RJ e Rosário Central da Argentina fazem desafio Internacional

      Na última sexta-feira, a equipe feminina Sodiê Doces/LSB RJ teve um inusitado desafio. Em parceria com a Equipe do Club Atletico Rosario Central, da Argentina, a equipe promoveu um saudável e divertido confronto entre as atletas e comissões.

A brincadeira teve como objetivo promover a integração das equipes, além de entreter, divertir e até contribuir na manutenção do condicionamento físico das atletas nesse período de isolamento social. Do lado Argentino, uma velha conhecida da equipe Sodiê Doces/LSB RJ, a armadora Carol Ribeiro, que foi a capitã da equipe na temporada passada da LBF – Liga de Basquete Feminino e hoje veste a camisa do tradicional clube Argentino. No lado Brasileiro, as atletas da LSB que se mostraram bem competitivas e cultivaram a sadia rivalidade entre os dois países.

O jogo que consistiu em tarefas físicas, técnicas e de conhecimentos gerais, foi realizado na plataforma de reuniões on line, Zoom e 20 atletas interagiram de um jeito bem divertido nas telinhas de celulares e computadores. Na parte física, que contou com muito apoio e torcida das atletas que vibraram muito para incentivar suas companheiras, o desafio foi vencido pelas Brasileiras e na parte técnica, que consistiu em controle de bola e arremessos criativos, as Argentinas levaram a melhor.

 

      No quesito conhecimento gerais, que foi baseado em conhecimento histórico das atuações do basquete Argentino e Brasileiro em mundiais e olimpíadas as equipes empataram o duelo e com isso a Arbitragem, que foi liderada por Marcello Berro, declarou o resultado final do desafio empatado, consagrando assim o divertido intercâmbio em uma grande festa.Esse encontro, dada as devidas proporções e em uma ótica divertida, serviu para suprir a não realização da Liga Sulamericana de Clubes, que foi cancelada pela Consubasquet devido a pandemia da Covid-19 e obviamente contribuiu para um estreitamento internacional entre as equipes.

Sodiê Doces/LSB RJ segue preparação para estreia na LBF

Há alguns dias da estréia, a equipe Sodiê Doces/LSB RJ segue a preparação, visando uma boa campanha na temporada 2020 da LBF e na Liga Sul-americana de Basquete.

Sob o comando do Técnico Raphael Zaremba, debutante na competição como técnico principal, uma vez que foi um dos auxiliares na temporada passada e do auxiliar Bruno Space, um dos técnicos com mais tempo de atuação em competições da LSB, o elenco, mais uma vez formado com a grande maioria de jogadoras oriundas de projetos do Rio de Janeiro, segue evoluindo a cada treino. Nas primeiras semanas de trabalho, a preparação da equipe esteve focada no condicionamento físico, sob o comando do Preparador Fábio Castro na quadra e nas dependências das unidades da Academia Smartfit, parceira da equipe Sodiê Doces/LSB RJ, durante a temporada. Na parte Psicológica, o desenvolvimento do trabalho foi coordenado pela profissional Júlia Crespo.

O trabalho técnico segue acontecendo desde a apresentação da equipe, e seguirá ao lado do desenvolvimento tático. Nas duas últimas semanas grande parte do tempo de trabalho foi destinado ao comportamento tático da equipe, e já é possível enxergar como a equipe atuará na estreia da competição no dia 18 de março, contra o Santo André, em casa.

Com um grupo renovado, tendo apenas quatro jogadoras que fizeram parte da equipe na temporada passada, o entrosamento da equipe é um dos obstáculos a serem superados, mas, com a carga de treinos sendo executada o entrosamento surgirá consequentemente.

Uma das jogadoras que chegaram para seguir levando a representatividade do basquete feminino do Rio de Janeiro, pelo Brasil, é a ala Thayná Silva. A fera foi a revelação da LBF em 2018, atuando pelo São Bernardo, fazendo parte do quinteto ideal da competição e, mesmo com chances de ser convocada para a Seleção, em 2019, pausou a carreira pelo sonho de ser mãe. Agora, Thayná está de volta e dessa vez, representando seu estado e segue se preparando para voltar a atuar em alto nível e quem sabe, ser lembrada em uma futura convocação para a Seleção Brasileira.

A equipe Sodiê Doces/LSB RJ estreia no dia 18 e no dia seguinte enfrenta o Blumenau também em casa. A equipe tem boas expectativas para a temporada, apesar de saber que o caminho da evolução é bem longo.

Sôdie Doces/ LSB RJ Será o Brasil na II Liga Sul-Americana de Clubes

Equipe carioca representará o país na competição continental em abril

A Sodiê Doces/LSB RJ vai disputar no próximo mês de abril a II Liga Sul-Americana de Clubes. A equipe atendeu aos requisitos de participação da Consubasquet (Confederación Sudamericana de Básquetbol, entidade organizadora), e se inscreveu para representar o país na competição.

A edição 2020 do torneio continental terá 12 equipes, divididas inicialmente em três grupos. Os vencedores de cada grupo, além do melhor segundo colocado, passam ao Final Four, quadrangular final que decidirá o título. A equipe brasileira deverá disputar a primeira fase no Chile. As datas e sedes serão conhecidas em breve.

“Para nós é uma grande satisfação e grande responsabilidade, mesmo com tão pouco tempo de equipe, poder participar de uma Liga Sul-Americana. Sempre deixamos bem clara a nossa intenção de resgatar, dar visibilidade ao basquete do Rio de Janeiro e oportunidade para as meninas aparecerem no cenário nacional, agora internacional. Nossa equipe não dispõe de grandes recursos, mas temos um patrocinador que entende os nossos ideais e a nossa forma de gestão”, comemorou Marcos Guinancio, gestor da Sodiê Doces/LSB RJ.

O clube carioca segue montando o elenco para a nova temporada. Já anunciou as contratações das alas Thayná, revelação da LBF CAIXA 2018, e Mayara, ex-Instituto Brazolin/São Bernardo/Unip, além da jovem pivô Adrielly. Também renovou com quatro peças que disputaram a última edição da LBF CAIXA pela equipe: a armadora Maria Luisa, a ala Rayane e as alas/pivôs Juliana Ribeiro e Carol França.

Revelação de 2018, Thayná é uma das novidades da equipe para a temporada  (Reprodução/ Facebook Liga Super Basketball)

Após uma temporada de ausência, Thayná está animada com o seu retorno e a missão de levar a bandeira do país à competição.

“É um prazer enorme poder representar nosso basquete e nosso país. Estamos bastante ansiosas e na expectativa de disputar o campeonato com garra, determinação e muita união para termos uma colocação ótima”, disse a jogadora de 24 anos e 1,80m, líder de três estatísticas da LBF CAIXA há dois anos.

“Nossa expectativa é representar o Brasil da melhor forma possível. Tenho certeza que em quadra o grupo dará o máximo; o resultado, eu não sei, mas nós nunca desistimos de nada que nos propomos a fazer, então creio que teremos êxito, seja dentro ou fora da quadra”, completou Guinancio.

Na edição passada da Liga Sul-Americana de Clubes, o Sampaio Basquete representou o Brasil no Equador, onde enfrentou Club Lums e Leonas – ambos do país anfitrião -, mas não conseguiu passar ao Final Four. O título ficou com o Copacabana, da Colômbia.

A CAIXA Econômica Federal é a patrocinadora oficial da LBF, que organiza a LBF CAIXA e possui a chancela da Confederação Brasileira de Basketball (CBB).

por Liga de Basquete Feminino

Sôdie Doces / LSB RJ traz mais duas novidades

A Sodiê Doces/LSB RJ segue se reforçando e anunciou nesta semana mais dois reforços para o elenco que se prepara para mais uma LBF CAIXA. Assinam com a equipe do Locão James a armadora Domenica Lombardy e a ala/pivô Amanda da Silva.

Domenica tem 23 anos e 1,65m. Disputou a LBF CAIXA pelo América-PE há cinco anos, na temporada 2014/2015, participando de oito partidas da equipe que seria vice-campeã. Antes, havia sido campeã sul-americana em 2014 com o Sport Recife. Seguiu para os Estados Unidos, onde atuou por duas temporadas pela equipe de Northwest College, de Wyoming. Também passou pelo basquete espanhol, defendendo o Lanzarote Conejeros, das Ilhas Canárias.

Já Amanda da Silva é formada no Impacto Basket, da Baixada Fluminense. É ala/pivô, tem 26 anos e 1,76m de altura. As jogadoras se somam ao elenco que já anunciou as alas Thayná, revelação da LBF CAIXA 2018, e Mayara, ex-Instituto Brazolin/São Bernardo/Unip, além da jovem pivô Adrielly.

O clube carioca, que vai representar o Brasil na II Liga Sul-Americana de Clubes em abril, também renovou com quatro peças que disputaram a última edição da LBF CAIXA pela equipe: a armadora Maria Luisa, a ala Rayane e as alas/pivôs Juliana Ribeiro e Carol França.

A CAIXA Econômica Federal é a patrocinadora oficial da LBF, que organiza a LBF CAIXA e possui a chancela da Confederação Brasileira de Basketball (CBB).

Fonte: Liga de Basquete Feminino