Segunda, 04 Dezembro 2017 10:15

Kobras vence e nos presenteia um jogo 3

Written by

O palco não poderia ser melhor, o complexo esportivo Miécimo da Silva, abriu as portas do ginásio Zenny “Algodão” de Azevedo para receber os jogos de número dois das finais, masculino e feminino dos Campeonatos Estaduais Amadores da Liga Super Basketball.

Como manda a boa educação as damas foram primeiro, e você pode ver o que aconteceu nesta excelente matéria do nosso mago Felipe de Souza.

Já no Masculino as duas equipes foram a quadra com missões bem claras, ao Municipal cabia vencer e definir o campeonato sagrando-se campeão, confirmando o favoritismo e consagrando o excelente trabalho do trio Gabriel Dutra, Daniel Batista e Rogger Vianna, sem dar chances à recuperação e ao crescimento de um adversário de imensa qualidade como o Kobras.

Já aos atuais campeões, cabia entregar um algo mais, deixar na quadra o basquete que sempre se esperou, e pouco se viu deles nesta temporada, a equipe capitaneada por Tiago Binato, e Thiaguinho, tinha dentro de cada um dos integrantes uma vontade de apresentar o seu melhor basquete e provocar um jogo 3, que por sinal todos nós estávamos ansiosos por ver.

binato

O Jogo:

 

1º Período:

A bola subiu e de cara pudemos ver um Kobras diferente do que estávamos acostumados nesta temporada, jogando com bastante intensidade, em um ritmo impressionante, estabelecido por Irwing, os atuais campeões pressionavam na defesa e rodavam muito bem a bola no ataque.

Com essa solidariedade ofensiva que o time pode encontrar Binato duas vez sozinho para abrir o marcador e colocar 4 x 0 no placar.

No entanto, como não poderia deixar de ser, Daniel e Rogger no comando, o time da tijuca rapidamente igualou as ações, mantendo sempre a diferença em apenas uma posse de bola.

Até que à 21 segundos do fim, quando o marcador apontava 16 x 14 para equipe do Kobras, os atuais campeões sofreram uma dura baixa, aparentemente, uma entorse no joelho tirou Wallace da partida, que seguiu para o segundo período, com apreensão e a pequena vantagem da equipe do Kobras.

 

2º Período:

O segundo quarto começou e o Kobras, foi pra cima atropelando, emplacando uma corrida de 13 x 1, obrigado ao técnico Gabriel Dutra a pedir tempo, evitando um estrago ainda maior.

Pra piorar a situação, segundos antes do pedido de tempo o Municipal já havia perdido um dos seus principais jogadores, Rogger, assim como Wallace do Kobras, também se machucou, deixando Daniel Batista, em um voo solo na tentativa de fechar a série ainda no jogo dois.

O pedido de tempo até que ajudou, mas sem Rogger para desafogar Daniel Batista, o Municipal, foi uma presa fácil para o um Kobras que contava com excelentes atuações, Vinícius Franciscone, Victor Pezão, De Medeiros, e uma ótima sincronia de todo grupo, fazendo lembrar o time campeão da temporada passada.

Com tudo isso as duas equipes foram para o vestiário com o Kobras vencendo por 33 x 23.

 

3º Período:

Depois do intervalo as duas equipes voltaram um pouco nervosas, sentindo a responsabilidade de um jogo decisivo, não à toa, se passaram quase dois minutos, até que Ricardo Pereira convertesse os lances livres e inaugurasse o marcador no terceiro quarto.

A cesta de Ricardo parece ter sido um catalisador, que abriu o basquete de ambas as equipes, uma vez que dali em diante as duas equipes voltaram a encontrar o caminho para cesta. Melhor para o Kobras que com boas jogadas de Franciscone, Binato e De Medeiros, chegou a abrir 16 pontos de vantagem.

No entanto, com apenas dois minutos para o fim do quarto, Daniel Batista que até então não encontrava nenhum suporte ofensivo de seus companheiros, pode contar com André Lopes, Aslan e Robson, para aproveitar um apagão da equipe do Kobras e conseguir uma corrida de 10 x 0 que permitiu ao Municipal ir para o último quarto perdendo por apenas 7 pontos, mantendo a esperança do título ainda viva.

 

4º Período:

A reação no final do terceiro quarto não parou, bastou as equipes voltarem à quadra que reanimado pela ajuda dos companheiros Daniel pode comandar uma nova corrida, agora de 10 x 1, para virar a partida e mostrar o porque o Municipal, vem sendo aclamado como detentor da melhor equipe da competição.

Com a partida no pau, coube a Thiaguinho e Marcelão, darem as caras e com muita experiência pôr o Kobras novamente a frente no marcador.

O fim do jogo teve todos os elementos que uma partida como essa pede, em um momento crítico, onde poderia dar números finais ao duelo, Marcelão errou dois lances livre, com direito a Air Ball, por outro lado, antes disso foi Daniel Batista quem desperdiçou seus 3 arremessos livres.

Contudo isso, Kobras se manteve à frente e ainda pode contar com as desqualificações de Rogger (que estava machucado desde o segundo período), e só voltou a quadra, invadindo para reclamar da arbitragem e Gabriel Dutra, também por reclamar da arbitragem.

Ao final, vitória importantíssima do Kobras, com uma atuação coletiva brilhante, onde seis dos sete jogadores que tiveram tempo de quadra conseguiram sete ou mais pontos, onde seis dos sete também conseguiram seis ou mais rebotes, sem contar o belíssimo trabalho de Victor Pezão e Vinícius Franciscone fizeram defendendo Daniel batista, dando uma verdadeira demonstração de força e adianto a definição para um justíssimo jogo 3.

Já o Municipal teve um prejuízo enorme. Além de perder a partida, também perdeu Gabriel Dutra e Rogger desqualificados da partida, deixando uma missão duríssima, para Daniel Batista, que terá que se multiplicar na quadra para conseguir superar tantas dificuldade e realizar o sonho do título.

 

Destaques:

Tiago Binato (Kobras): 10pts, 6reb, e 1ass;

Marcelão (Kobras): 4pts, 14reb e 2ass;

De Medeiros (Kobras): 7pts, 10reb, 1ass e 1toc;

Daniel Batista (Municipal): 22pts, 3reb, 3ass e 2rou;

Diego (Municipal): 4pts, 8reb, 4ass e 1rou;

Raphael (municipal): 2pts, 8reb e 4toc.

No sábado (02/12) na Vila Olímpica de Mesquita, o Santo Elias recebeu o Atlântico. No final, o Santo Elias venceu o Atlântico por 67-57.

O jogo começou com as duas equipes buscando fazer layups e jogadas em transição. Esse foi o melhor caminho para os dois times no início da partida. Mas aos poucos vimos o Sr. Elias mostrar que também tinha arremessos do mid-range e do perímetro.

O Atlântico respondia com jogadas de muita força física dentro do garrafão e o bom uso do box outs ao seu favor. Por sinal, o jogo dentro da área pintada do Atlântico foi essencial para que a equipe ficasse na frente até o final do primeiro tempo.

Mas com uma bela jogada do Marcos Paulo no final do quarto, fez com que o Santo Elias fosse para o intervalo vencendo o jogo por 34-33.

Na volta do intervalo, os papéis se inverteram. O time do Atlântico que explorava bem o garrafão adversário, viu o St. Elias usar bem os espaços dentro do seu garrafão e começar a pontuar.

O número 5 fez três belas enterradas no terceiro quarto que colocou o time do St. Elias na frente e com moral. A partir desse momento, a equipe do St. Elias não saiu mais da frente do marcador.

A equipe explorou muito bem os espaços que achava na defesa do Atlântico. A equipe conseguia movimentar bem a bola no ataque e achava bem os companheiros livres. Os rebotes ofensivos, foram determinantes para que o St. Elias mantivesse um bom ritmo na reta final.

A equipe do Atlântico buscava reagir muito mais pela empolgação da torcida e pela a raça entregue em cada jogada. O time tinha as suas dificuldades, mas os pontos vieram justamente do jeito que o seu adversário mais atuou no primeiro tempo: no jogo de transição.

A equipe tinha dificuldades de dominar o garrafão como fez na primeira metade da partida e as infiltrações laterais e jogadas de transição defesa-ataque, foi a saída da equipe no segundo tempo

Mas no fim, vimos que a dupla Marcos Paulo (22 pontos e 5 rebotes) e o Bruno Alves (12 pontos, 14 rebotes e 3 assistências), foram os jogadores que regeram o ataque da equipe até o final.

Pelo lado do Atlântico, o destaque foi o Adriano Cezar. Ele terminou com 13 pontos e 15 rebotes.

Sábado, 02 Dezembro 2017 21:34

VQN se recupera na Copa Baixada e vence o Chatuba

Written by

No primeiro jogo na Vila Olímpica de Mesquita, o VQN recebeu o Chatuba pela Copa Baixada. No final, o VQN venceu a equipe do Chatuba por 69-22.

O VQN que estreou na Copa Baixada com uma derrota para o time do Queimados Warriors em jogo disputado no IBC.

Desde o início da partida, vimos a equipe do VQN usar bem a sua experiência ao seu favor. A equipe desde o começo, usou as infiltrações do Bruno Tapajós e a boa rotação ofensiva para pontuar.

A equipe usou a experiência dos seus jogadores para rodar bem a bola no ataque e usar o máximo possível dos 24 segundos ao seu favor. Com o ataque funcionando muito bem, o ataque soube conter o ímpeto ofensivo da jovem equipe do Chatuba

As equipes entregaram um jogo muito movimentado desde o começo. Foi uma partida basicamente de transição defesa-ataque.

A equipe do Chatuba foi a que mais colocou essa velocidade em quadra, mas o time não soube aproveitar bem o ritmo de jogo e o time queimava ataques de forma ansiosa. Em certos momentos a equipe do Chatuba conseguiu criar grandes dificuldades ao VQN, mas o time não soube manter o ritmo da partida.

Com isso, o VQN aproveitou bem as oportunidades e quando conseguiu abrir 10 pontos de vantagem, não saiu mais da liderança do jogo.

O Bruno Tapajós foi o destaque do VQN com 16 pontos, 5 rebotes e 3 assistências.

No sábado (25/11) teve a estreia da Copa Baixada com o confronto entre Queimados Warriors e VQN. Jogo disputado no Iguaçu Basquete Clube. No fim, o Queimados venceu o VQN por 53-42.

As duas boas equipes que disputaram a Liga B da Liga Super Basketball, estrearam na maior competição de basquete amador da baixada fluminense fazendo uma boa partida.

O nervosismo pela estreia na competição, foi evidente em ambas as equipes. Que comemoravam cada ponto convertido.

O primeiro tempo do jogo, foi de equilíbrio e apagão.

O primeiro quarto vimos as duas equipes ansiosas na finalização das jogadas e as jogadas começavam a fluir muito perto do aro. As jogadas de infiltrações era o carro chefe das duas equipes. Nesse primeiro quarto, vimos muito equilíbrio. As duas equipes terminaram empatadas em 12 pontos.

Mas como disse anteriormente, também teve o apagão e isso aconteceu com o VQN. A equipe que conseguia pontuar nas infiltrações e buscava fazer uma defesa muito forte, não conseguiu fazer nenhuma das duas coisas no segundo quarto. A equipe parecia ter perdido o foco nesse quarto.

Mal sabia eles, que esse quarto seria decisivo para o resultado final.

O time do Queimados que não tem nada a ver com isso, aproveitou bem e conseguiu vencer o quarto por 15-3.

Na volta do intervalo, a confiança que o time de Queimados conseguiu por causa do segundo quarto, ajudou demais a equipe a manter o bom ritmo no ataque. Foi o momento ideal para aparecer o grande destaque da equipe e do jogo: Gabriel Victor. Ele terminou a partida com 20 pontos, 3 rebotes e 4 assistências.

O time do VQN ainda tentou reagir no último quarto, mas mesmo a equipe do Queimados fazendo um quarto abaixo do esperado naquele momento, o time do Gabriel conseguiu segurar a vitória até o final.

Na tarde desse domingo, teve a primeira partida da final do Campeonato Estadual Amador entre Club Municipal e o Kobras Basketball. Nesse primeiro confronto, o time do Municipal venceu por 89-78 e abriu a série com uma ótima vitória.

A partida começou com a tensão de uma grande final. A equipe do Municipal, que estava jogando em casa, deu o seu cartão de visitas logo no início do jogo. Pontuando bem no perímetro com o Daniel e bolas do mid-range. O poder ofensivo no começo foi tão grande, que o time da casa abriu 11-0 e só aos sete minutos o time do Kobras começou a pontuar.

Depois do apagão inicial, a equipe conseguiu colocar uma run de 6-0. Mas o ataque do Municipal funcionava muito bem desde o começo. Com boas jogadas individuais do Rogger e Daniel, o Municipal conseguia se manter com uma boa diferença no placar.

Se o Municipal deu o seu cartão de visita no primeiro quarto, o Kobras mostrou o porquê é o atual campeão e um dos melhores times dessa temporada. A vantagem que chegou a ser de 12 pontos para o time da casa, o Kobras com os seus valores individuais, reduziu para 5 rapidamente.

Na metade do segundo quarto, já era uma nova partida. O Kobras marcando bem no perímetro, pontuava bem quando fazia infiltrações laterais e via o Marcelão aparecer com suas bolas de 3 pontos. O Municipal parecia sentir o ritmo forte que o Kobras começava a impor no jogo.

Porém, nos três minutos antes de ir para o intervalo, o Municipal se recompôs em quadra e voltou a achar os espaços na defesa do Kobras. O jogo do time liderado pelo Gabriel Dutra que era no perímetro no início da partida, mudou para as infiltrações. A marcação do Kobras no perímetro, conseguia conter o Municipal. Mas o time tinha dificuldades de marcar as infiltrações. O Municipal foi para o intervalo vencendo por 39-34.

Na volta para o segundo tempo, o jogo ganhou tons de uma final tão esperada por todos. Os times trocavam pontos a todo o momento. Quando o Municipal fazia uma bola de 3, o Kobras respondia com a mesma moeda. Se o Municipal fazia uma boa infiltração que resultava em um “and one”, o Kobras respondia logo em seguida.

Quando falamos sobre as duas equipes pontuar bem, é natural pensar no Daniel (Municipal) e no Marcelão (Kobras) e foi justamente isso que aconteceu.

O Daniel jogou como um digno MVP. Um scorer de alto nível, que assumiu bem o papel de liderança em diversos momentos da partida. Em momentos que o Municipal parecia diminuir o ritmo, o Daniel pedia a bola e conseguia resolver e colocar a equipe no caminho correto da partida. Ele terminou com 28 pontos.

Pelo lado do Kobras, Marcelão mais uma vez foi dominante nos dois lados da quadra. Ele entregou o que se espera dele. Pegou rebotes pontuais, converteu alguns arremessos de 3 pontos e foi um líder dentro de quadra. Bem verdade, que ele não fez a sua melhor partida. Mas foi de longe o melhor jogador da equipe. Marcelão terminou com 20 pontos, 20 rebotes e 2 assistências.

Entre arremessos trocados de ambos os lados, em nenhum momento o Municipal perdeu a liderança no segundo tempo e a equipe conseguiu segurar bem o Kobras até o fim.

No fim, o Municipal consegue se manter invicto dentro de casa e abre 1-0 na grande final.

Sexta, 24 Novembro 2017 01:08

Copa Baixada 2017-18 começa nesse sábado

Written by

Nesse sábado, começa a edição da Copa Baixada 2017-18. A competição prioriza os times da baixada fluminense, tendo o Anchieta como o grande convidado.

Os grupos já estão definidos e são esses:

GRUPO A

  • VQN
  • Bad Angels
  • BMC
  • Anchieta Fears
  • Queimados Warriors
  • Chatuba

GRUPO B

  • Meriti Falcons
  • Rappers
  • The Brothers
  • Atlântico
  • Santo Elias
  • Strong TX

O primeiro jogo da competição será entre Queimados contra VQN. Jogo que será disputado no Iguaçu Basquete Clube.

No domingo, teremos mais duas partidas, entre The Brothers vs Meriti Falcons e Santo Elias vs Strong TX.

Fique ligado no site, que todas as informações sobre a Copa Baixada você terá aqui.

No domingo, o Kobras Basketball e o LDJ se enfrentaram pela terceira e última vez no Estadual Amador. No fim, o Kobras conseguiu uma boa reação e venceu o LDJ por 66-54.

Antes da partida começar, era laro que seria mais uma grande partida dessa semifinal. O LDJ vem fazendo um playoff muito forte e mostrando que não chegou por um acaso nessa semifinal.

Vimos isso, na primeira partida em que o time conseguiu vencer bem o Kobras, atual campeão, no Jequiá Iate Clube.

Já o Kobras, chegou a essa semifinal por tudo o que fez na temporada regular e por ter sido o campeão no ano passado. Era difícil não colocar a equipe comandada pelo Binato e companhia como a equipe a ser batida nesse campeonato.

O time sofreu no primeiro jogo, mas na segunda partida o time parece ter entrado mais focado e consegui superar bem o LDJ.

O jogo teve o mesmo enredo que as partidas anteriores. O LDJ consegui impor um bom ritmo desde o início, usando bem a transição defesa-ataque e o trabalho dentro do garrafão com o Arthur Meireles (10 pontos e 8 rebotes) e o João Marchon (13 pontos e 6 rebotes).

Na primeira partida entre eles, o LDJ conseguiu segurar até o final e na segunda partida o Kobras conseguiu se recuperar rapidamente.

Nesse jogo, o LDJ se saiu bem no garrafão mas sentiu muita falta do Carlos, Nilo e André. Os três são peças importantes dessa equipe e parecia que esse jogo não estava encaixando com as movimentações deles. Os três jogadores, somaram para 20 pontos. Algo bem abaixo para uma semifinal.

O Kobras também não começou nada bem a partida e não porque estavam jogando mal. O time criava boas jogadas, mas pecava na finalização e via o seu adversário aproveitar muito bem as oportunidades que surgiam.

Era tão evidente isso, que quando o Kobras passava no placar, o LDJ conseguia se recuperar rapidamente e ao contrário, parecia penoso para o atual campeão reverter o jogo.

O jogo em sim, foi bem parelho e tenso entre os dois times. As equipes lutavam bastante por cada jogada e por cada posse de bola.

A partida ganhou tons dramáticos no fim. Até o meio terceiro quarto, parecia que seria difícil para o Kobras reverter o jogo e fazer a final contra o Municipal.

Mas os arremessos que não caíram no início do jogo, começaram a cair e tudo mudou.

Após três bolas seguidas de 3 pontos, o time do Kobras entrou de vez na partida e cada jogada favorável a equipe, era comemorada como se fosse a última bola do jogo.

Aos poucos, essa empolgação foi minando o time do LDJ. Que começou a errar arremessos que não erraram no primeiro tempo e sentir a pressão do Kobras.

Foi nesse momento que apareceu o Vinicius Franciscone, MVP da temporada passada e o Marcelão. O Vini foi consistente desde o início, fazendo bons layups e finalizando bem do mid-range. O Marcelão entregou o que todos esperam, rebotes importantes. Ele foi fundamental na briga pelos rebotes e um líder nato dentro de quadra.

O Kobras usou bem a experiência ao seu favor e conseguiu controlar bem o jogo até o final.

Com essa vitória, o Kobras vai enfrentar o Club Municipal na primeira partida da final do Campeonato Estadual Amador no dia 26 desse mês.

Após a partida, pude conversar com o Vitor Damasceno (LDJ) sobre essa semifinal e a temporada da equipe.

“Foi uma grande série. Jogamos bem, mas talvez não soubemos saber trabalhar bem com um placar adverso. O Kobras soube trabalhar bem o jogo todo, mesmo estando atrás boa parte do jogo e após as três cestas de 3 pontos seguidas, eles usaram bem a experiência para segurar o jogo. ”

“Estou muito feliz com o nosso desempenho nessa temporada. Crescemos no final, fizemos um ótimo playoff e agora nos resta é pensar na temporada que vem. Como jogamos bem, é normal outras equipes querem os nossos jogadores e vamos tentar manter essa mesma equipe para o ano que vem. “

Já o Tiago Binato (Kobras), falou sobre essa semifinal e sobre a final contra o Municipal no próximo final de semana:

“Sabíamos que seria uma série duríssima. O LDJ é muito bom e fez grandes jogos contra a gente. Temos que dar os parabéns para eles. “

“Claramente sentimos falta do Renan [ex-treinador] e estamos jogando os playoffs desfalcados. Tivemos alguns problemas dentro e fora de quadra, mas tudo foi resolvido. Vamos para o jogo contra o Municipal, tentando jogar o nosso melhor e acreditamos que vai ser mais uma série duríssima. “

Quinta, 16 Novembro 2017 00:25

Kobras joga bem e empata a série contra o LDJ

Written by

Na quarta-feira, o LDJ recebeu o Kobras na Vila Olímpica de Mesquita para a segunda partida da semifinal do Estadual Amador e o Kobras igualou a série, vencendo por 66-56.

A partida que poderia colocar de vez o LDJ na grande final e transformar o sonho em realidade, teve o Marcelão como protagonista.

O pivô dos atuais campeões, fez impressionantes 19 pontos e 15 rebotes. Além de ajudar o Kobras a se recuperar na série, ele briga muito pelo MVP dos playoffs.

O LDJ sentiu muito a imposição física que o Marcelão conseguiu colocar dentro do garrafão e a mobilidade que ele usava para subir até o perímetro para pontuar.

No primeiro jogo em que vimos o Arthur e o Leandrão conseguindo fazer uma boa marcação dentro garrafão, nessa partida o time não teve o Leandrão e essa ausência foi muito sentida, na marcação e nas brigas pelos rebotes.

Nem com a presença do João Marchon, que não jogou a primeira partida, fez com que o time do LDJ conseguisse pontuar bem dentro garrafão. A equipe ainda parecia dispersa em alguns momentos. Queimando jogadas rapidamente e cometendo turnovers em momentos preciosos para a moral da equipe.

Aos poucos o time foi ficando tenso e perdendo a cabeça, algo que não ajudou em nada. Mesmo com um bom terceiro quarto, único período que ganhou, o time tinha dificuldades para fechar espaços na sua defesa e o Kobras soube aproveitar muito bem.

Os rebotes do Marcelão e um ataque que soube trabalhar bem a bola com velocidade, viu os espaços aparecerem. Mesmo errando algumas cestas, o time criava um volume de jogo muito maior do que vimos na primeira partida. Claramente o time parecia mais focado que a primeira partida e a fisionomia dos jogadores, mostravam que iriam entrar para entregar tudo em quadra. No fim, o time mostrou a sua força e conseguiu empatar a série.

Agora, as duas equipes fazem o terceiro jogo decisivo e não tem favorito. Mas sabemos que a única pessoa que vai ganhar antecipadamente com essa partida, é você que for conferir esse jogo de perto.

No domingo, o Kobras Basketball enfrentou o LDJ pelo primeiro jogo da semifinal do Campeonato Estadual Amador e o time do LDJ venceu por 82-68.

Quando as pessoas olham quais times iriam se enfrentar, normalmente o primeiro pensamento seria que o Kobras passaria com certa facilidade. Mas eu mostrei no texto em que o LDJ eliminou o Mackenzie, que não seria assim.

O trabalho na temporada regular de cada time foi realmente distinto, mas o que o LDJ vem desempenhando nesses playoffs, é algo incrível.

O time eliminou o AVBN e o Mackenzie impondo o seu jogo. Entrou nessa partida, fazendo o que o Vitor Damasceno já tinha me falado.

“A pressão na série contra o Mackenzie, era do Mackenzie. Agora o Kobras vai ter que mostrar o seu jogo também. ”

O Kobras que veio de jogos duríssimos contra Victor Leal e companhia, não mostrou a eficiência que conhecemos e o LDJ que não tem nada a ver com isso, aproveitou muito bem.

Antes de dar um resumo da partida, destaco o trabalho do armador Carlos Alexandre. É um playmaker e swagger nato, pontua bem do mid-range, faz bons layups, tem bom passe e assumi bem o papel de liderança. Se eu pudesse escolher um MVP dos playoffs hoje, o meu voto seria facilmente para ele. Vem sendo importante na campanha da sua equipe nesse playoff e na partida, ele contribuiu com 16 pontos, 7 rebotes e 3 assistências.

O time do LDJ teve um jogador que se destacou mais, André Mattos. Ele fez 12 pontos e pegou 15 rebotes (10 defensivos). Pode parecer pouco, mas quando você disputa rebote contra Marcelão (média 14.56) e Guilherme de Medeiros (média 9.27), pegar mais rebotes que os dois, é incrível. Ele ajudou muito a espaçar o time no ataque, pontuou bem e terminou 100 por cento nas bolas de 3 pontos (2-2).

O time do LDJ jogou bem. Sofreu no início, principalmente no segundo quarto (30-18) mas soube manter o foco da partida e aos poucos o time tirou com uma certa facilidade a vantagem no placar.

Quando o Kobras viu a diferença chegar a 18 pontos no marcador, já era tarde para tentar virar o jogo. Com um time bem experiente, o LDJ soube trabalhar bem a bola no ataque e usar bem os 24 segundos ao seu favor.

A equipe do Kobras não jogou totalmente mal, mas errou muitas cestas que normalmente eles fariam e a defesa não conseguia fechar bem os espaços, no jogo todo. Mas o terceiro quarto, foi o período chave da equipe. O time perdeu por 30-11 e a partir daí toda a estratégia da equipe começou a ruir.

O time teve dificuldades para infiltrar e fazer o bom jogo que conhecemos, no low post. A equipe em diversos momentos, não apresentava a mobilidade ofensiva que já vimos em muitas partidas. Parecia estática e as vezes apática na defesa.

O Vinicius Franciscone foi o destaque dos atuais campeões, terminando a partida com 12 pontos e 6 rebotes.

Vendo o jogo, ficou claro a falta do Renan Pimentel no banco de reservas da equipe. Em alguns momentos, faltou alguém que parasse o jogo e armasse uma jogada para explorar melhor as infiltrações ou que até mesmo cobrasse os jogadores. Pedro Rubem que embarcou na equipe recentemente, apoia bem o time. Não sei se será o suficiente para conseguir tirar o melhor de cada jogador do Kobras.

No final da partida, pude bater um papo com o Vitor Damasceno e falei que esse time era um conjunto de guerreiros e ele me disse que não.

“Somos um time de sonhadores. “

Esse sonho pode estar virando a realidade. Claro que o adversário é o Kobras e sabemos que é uma equipe extremamente talentosa e atual campeã.

Mas o LDJ deu um belo passo para a final.

A próxima partida será amanhã (15/11) às 10:30 na Vila Olímpica de Mesquita.

No sábado (11/11), o Club Municipal enfrentou o Niterói Basquete Clube em sua casa e abriu a série com uma vitória por 72-67.

A Liga Super Basketball (LSB) está vendo o campeonato estadual amador chegar a sua reta final, mas as grandes emoções continuam firmes e fortes.

O confronto entre as duas equipes era muito esperado e não só por se tratar de uma semifinal. Mas o Niterói foi a única derrota do currículo do Municipal na temporada regular.

Parecia realmente que o Niterói tinha a fórmula para ganhar do Municipal. Desde o início, o time conseguiu colocar um bom ritmo de jogo e tinha o Higor Simas “on fire” nas bolas de 3 pontos. Ele acertou cinco arremessos do perímetro no primeiro tempo e foi a principal arma ofensiva do time de Niterói.

O time conseguia se defender muito bem. Dificultava as infiltrações do André Luis e fazia uma boa marcação individual no Daniel Batista. A equipe da casa parecia aceitar facilmente essa marcação.

Tudo se encaminhava no primeiro tempo para uma vitória tranquila do Niterói.

Mas veio o segundo tempo e o Rogger que tinha chegado atrasado, entrou no jogo. A partir daí tudo mudou.

Sim, o Municipal foi outro no segundo tempo. O Rogger (11 pontos) não pontuou bastante, mas foi fundamental para a reação da equipe na segunda metade. Ele deu intensidade nos dois lados da quadra, que a equipe não mostrou em nenhum momento da partida até o momento.

“Eu cheguei atrasado e quando entrei na quadra, vi os meus companheiros meio para baixo e então tentei animar o pessoal”, disse o Rogger. “No fim, deu tudo certo. ”

Com o Rogger em quadra, o Daniel (21 pontos) começou a encontrar espaços que ele não teve no primeiro tempo e o time do Municipal começou uma reação enorme que resultaria na virada.

A defesa que parecia apática, estava fechando bem os espaços e o ataque conseguia fazer uma movimentação completa no ataque. Aos poucos os arremessos do mid-range e as infiltrações começavam a aparecer com maior facilidade.

Pelo lado do Niterói, a equipe começou a sentir muito a intensidade nos dois lados da quadra e não mostrava outra opção ofensiva além do Higor Simas e isso facilitou a defesa do Municipal. O forward foi o grande destaque terminando a partida com 22 pontos e 8 rebotes.

As equipes agora se enfrentam nesta quarta-feira (15/11) às 15:00 no La Salle em Niterói.

Página 7 de 10
Top