Terça, 27 Março 2018 14:18

Anchieta B vence Rappers

Anchieta Fears B e Rappers Basketball estrearam na Liga B em bom jogo no último domingo (25/03).

As equipes, que basicamente mantiveram seus elencos com relação a temporada passada, fazem parte do grupo de D da Liga B, divisão de acesso ao Estadual Amador.

O jogo começou com amplo domínio do Anchieta Fears que logo mostrou sua força ofensiva vinda da velocidade do armador Glauber e dos alas Marcelinho e Cris Costa. O trio combinou para 16 dos 19 pontos da equipe no primeiro quarto, contra apenas 7 da equipe de Belford Roxo.

O Rappers que havia surpreendido com a manutenção de seu melhor pontuador no banco, o ala Fernando Marins, durante quase todo o primeiro quarto, reagiu no segundo quarto com a entrada da fera, que converteu nada menos que 12 pontos de 12 tentados, e com isso colocou os Rappers de Bel, bem próximo do placar. O Anchieta assimilou o golpe e o placar terminou com apenas 2 pontos de vantagem para a equipe do subúrbio carioca.

Na segunda metade da partida o jogo que prometia muita emoção com a aproximação do Rappers no placar, esfriou. O trio que conduzia a pontuação do Anchieta ganhou mais um integrante, o ala Danilo, que fazia sua primeira partida pela equipe, foi autor de 9 de seus 12 pontos apenas no segundo tempo, o que ajudou na ampliação da diferença do placar, mesmo com a boa atuação de Fernando Marins, que lutou muito nas duas áreas pintadas da quadra. Fernando terminou o jogo com 24 pts, 9 rebs e 2 ass, mostrando que é um dos grandes pontuadores da Liga B.

Por parte do Anchieta os números dos destaques ficaram assim: Cris Costa (13 pts, 11 rebs e 2 ass), Marcelinho (12 pts, 5 rebs e 5 ass), Glauber (9 pts, 2 rebs e 5 ass) e Danilo (12 pts e 8 rebs).

Published in Liga B
Segunda, 26 Março 2018 17:31

Na prorrogação, Mad Lions vence!

 

No agitado domingo de jogos na Vila Olímpica de Mesquita, Mad Lions e Santa Cruz Black Panthers abriram a rodada da Liga B, em um jogo sem qualquer sinal de sonolência típica de um domingo de manhã.

mad lions squad

Com muita intensidade por parte das equipes, a partida teve um primeiro quarto barulhento, originado pela veemente vibração dos sucessos defensivos e ofensivos do Santa Cruz Black Panthers. Liderados pelo experiente Cristiano Assis, a equipe da Zona Oeste venceu o primeiro quarto por 19 a 10 e assustou o Mad Lions.

No segundo quarto, o Mad Lions copiou a intensidade e vibração defensiva do Santa Cruz e reagiu, vencendo por 17 a 9, reduzindo a diferença para apenas 1 ponto ao fim do primeiro tempo. O placar do quarto terminou 28 a 27.

O Capitão do Mad Lions, Bruno Lucas, foi o destaque do terceiro quarto com 7 pts em 7 minutos jogados. Apesar do baixo aproveitamento nas bolas de 3 pontos, nesse quarto, Bruno foi muito bem nos arremessos de média distância e seus companheiros de garrafão Elielson(13 rebs) e Carlos Guilherme(10 rebs) neutralizaram as ações do Cristiano e do veloz armador do Santa Cruz, Luiz Fernando. O quarto terminou 15 a 7 para o Mad Lions, que a essa altura liderava o placar por 7 pontos.

Na parte final do jogo, o bom e veloz controle de bola de Luiz Fernando conseguiu superar a fechada defesa do Mad Lions, algo que parecia difícil. O armador converteu 7 importantes pontos para equipe, a mesma quantidade de pontos do garoto Drault, que surgiu como uma impressionante atuação no que foi a parte mais importante do jogo para os Panteras da Zona Oeste. Drault, apesar dos 19 anos, foi decisivo para a reação final da equipe, sendo muito corajoso na busca pela cesta nos minutos finais da partida. Com os 14 pontos combinados de Luiz e Drault, o Santa Cruz venceu o quarto por 15 a 8 e empatou o jogo em 50 a 50 no fim, levando a partida para o período extra.

No overtime, a emoção e vibração que foi exaltada nos 40 minutos anteriores, simplesmente se esvaiu. O Mad Lions liderou e abriu vantagem desde o início, dessa vez com o ala Guilherme Amaral, autor de 7 pontos na prorrogação e 14 no total, sendo o cestinha da partida ao lado de Luiz Fernando. No final, os Leões venceram por 64 a 55 e garantiram a primeira vitória da equipe no grupo B da Liga B.

Published in Liga B

O último dia 10 de dezembro, ficou conhecido como um domingo de finais da LSB. O palco para os quatro jogos decisivos foi o S.C. Mackenzie, que abriu os trabalhos com o jogo 2 do Master +45, onde o time da casa entrou pressionado, por ter perdido a primeira partida para o Jequiá, e precisava da vitória em casa para provocar o jogo 3 da série final.

jequia x mack

O Jogo:

 

1º Período:

A bola subiu e o time da casa parecia nervoso, melhor para o Jequiá que aproveitou pra sair na frente, e com boas jogadas de Márcio Paulo, abrir 10 x 4 no marcador.

Contudo, mesmo sem precisar parar o jogo o time da casa foi se recompondo na partida, especialmente na defesa que sofreu apenas dois na metade final do primeiro período, e ainda pode contar com uma excelente atuação de Irapuã, para virar o marcador e fechar o quarto inicial vencendo por 18 x 12.

 

2º Período:

Na volta à quadra renato se juntou a Irapuã, para ampliar a vantagem dos donos da casa que chegaram à abrir dezoito pontos de vantagem antes que Márcio pagode pudesse converter uma certa de três pontos e ir para o intervalo com 15 pontos de diferença no placar em favor da equipe do Méier, 35 x 20.

 

3º Período:

No início da segunda etapa, comandados pela dupla de Márcios o Jequiá tentou uma reação, e é bem verdade que conseguiu igualar as ações, no entanto, com oito pontos de Renato o Mackenzie não soltou a dianteira e também venceu o período por 21 x 19 levando uma boa vantagem para o quarto derradeiro (56x39).

 

4º Período:

O jogo que já estava quente ganhou um último período com defesas muito fortes que permitiram pouquíssimas oportunidades aos ataques. Melhor para o Mackenzie que teve pouco trabalho para administrar a vantagem que terminou em 14 pontos e provocou mais um jogo 3 nas FINAIS LSB 2017.

 

Destaques:

Renato (Mackenzie): 16pts, 6reb, 5ass e 1rou;

Irapuã (Mackenzie): 14pts, 9reb, 1ass e 2rou;

Luis Claudio (Mackenzie): 12pts, 4reb e 1rou;

Márcio Paulo (Jequiá): 16pts, 12reb, 3ass, 5rou e 3toc;

Émerson Vieira (Jequiá): 6pts, 13reb e 1ass.

Published in Master

Neste domingo dia 26 de novembro de 2017, o Complexo Esportivo Miécimo da Silva, abriu as portas do Ginásio Zennny de Azevedo (justa homenagem ao lendário Algodão), para receber mais uma rodada da Liga Super Basketball.

A última partida do dia aconteceu entre o jacarepaguá Tênis Clube e o Usina Comunitária/Santa Cruz, válida pela categoria Sub 18.

jtc x usina 18

O Jogo:

O forte calor do ginásio não pareceu empecilho para que a garotada, que iniciou o duelo a 200 km por hora. Neste ritmo o JTC comandado por nomes experientes com Logan Procópio e Victor da Veiga rapidamente assumiu a dianteira no placar.

Apesar de bem organizado o time da Usina Comunitária, não parecia contar com armas suficientes para conter o adversário, claramente mais experiente e maduro.

A maior dificuldade do time da Usina. residia no garrafão adversário. Muito embora, concentrasse a maior parte de seus ataques na área pintada, o time de Santa Cruz encontrou muita dificuldade dentro do garrafão adversário, o que reduziu o percentual de acerto de seus arremessos.

Na volta para o segundo tempo o Usina trouxe pra quadra uma mudança de postura defensiva, que até melhorou sua produção ofensiva, adotando um jogo de transição que gerou certo desconforto ao adversário.

Contudo, alguns pequenos erros técnico e de concentração acabou frustrando a reação que foi  facilmente contida pelo adversário, que por sua vez, não fez muito mais que manter o cuidado com a bola e se manter agredindo a cesta para continuar na liderança do placar.

Em um jogo que o JTC pôde estabelecer seu domínio desde as primeiras posses de bola, pudemos aproveitar pra ver alguns atletas com maior atenção.

E sem sombra de dúvidas Pedro Henrique e Dayvid se destacaram dos demais. talvez não fosse necessário esclarecer, mas por via das dúvida é sempre bom deixar claro que Victor da Veiga e principalmente Logan Procópio, que ja vem aprontado entre os principais nomes do basquete do Rio de Janeiro no Campeonato Estadual Amador, não foram considerados neste aspecto.

Com tudo isso acredito que o Pedro Henrique, pelo bom domínio de fundamentos e Dayvid,  pelo potencial físico podem evoluir bastante e ganhar espaço em um futuro próximo.

 

Destaques:

Logan Procópio (JTC): 15pts, 11reb, 7ass e 1rou;

Deyvid de Carvalho (JTC): 10pts, 6reb, 1ass e 1toc;

Luan Obermuller (JTC): 3pts, 10reb e 3ass.

Published in Base

Neste domingo dia 26 de novembro de 2017, o Complexo Esportivo Miécimo da Silva, abriu as portas do Ginásio Zennny de Azevedo (justa homenagem ao lendário Algodão), para receber mais uma rodada da Liga Super Basketeball. e o segundo confronto do dia se deu entre Rio Sport e BMC Air Balls, válido pela Liga C.

rsc x bmc

O Jogo:

 

1º Tempo:

A partida começou em um ritmo muito forte, com as duas equipes obtendo sucesso em bater a defesa adversária pra pontuar.

Aos poucos os trabalhos defensivos foram ganhando corpo, com direito até mesmo, a um estouro de 8 segundos por parte do Rio Sport, graças a um belo trabalho defensivo do BMC Air Balls, que subiu a marcação e prendeu o adversário na própria quadra de defesa..

A bem da verdade, pra quem acompanhou a temporada, tanto BMC Air Balls, quanto Rio Sport tiveram uma das suas melhores atuações neste primeiro tempo de jogo.

Pudemos observar ambas as equipes apresentando um trabalho bem consciente e equilibrado no jogo de cinco contra cinco. Cada uma ao seu estilo, e quanto o Rio Sports trabalhava com bastante movimentação ofensiva no intuito de movimentar a defesa e encontrar espaços para pontuar, o Air Balls, baseava seus jogos nos cortes em direção a cesta, causando desequilíbrios através dos quais se aproveitavam para pontuar.

Melhor para o Air Balls que não tardou à assumir a liderança do placar, tomando a dianteira desde o início da disputa.

 

2º Tempo:

No segundo tempo de jogo as equipes claramente diminuíram o ritmo do jogo. Um resultado natural do desgaste provocado pelo início de partida bastante acelerado, somado ao forte calor sentido no Ginásio Zenny de Azevedo, no complexo esportivo Miécimo da Silva.

Apesar do ritmo mais cadenciado, as duas equipes mantiveram o bom trabalho da bola no ataque, pior para Rio Sport que não conseguia ameaçar a liderança do adversário.

Por tudo isso, não coube ao Air Balls muito mais do que controlar a partida e administrar o placar para garantir a vitória com direito a duplo duplo de Paulo Santos que saiu  do jogo com (14pts e 10reb ).

Final 35 x 25, para o BMC Air Balls.

 

Destaques:

Paulo Santos (BCM): 14pts, 10reb e 3rou;

Renato Magalães (Rio): 4pts, 15reb, 2ass e 2rou.

Published in Liga B

Neste domingo dia 26 de novembro de 2017, O Complexo Esportivo Miécimo da Silva mais uma vez abriu as portas do Ginásio Zenny “Algodão” de Azevedo, para abrigar os jogos da LSB. E a primeira partida do dia ocorreu entre Rural Basquete e Rappers, abrindo os trabalhos da Liga C.

Rural x Rappers

O Jogo:

1º Período:

O jogo começou bastante corrido com ambas as equipes apresentando boa movimentação ofensiva.

Pelo lado do Rappers, como sempre, Fernando é quem ditava o ritmo do ataque, com seu conhecido ímpeto e ritmo acelerado, o jogador do Rappers começou o jogo ligado em 220 V, tanto para atacar a cesta, quanto para defender, o que rapidamente lhe deixou com problemas com as faltas.

Pelo lado do Rural Basquete, o primeiro a se destacar  foi Rafael. O camisa 10, conseguiu apresentar boa imposição física, para levar vantagem contra os adversários, o que lhe permitiu sucesso em infiltrações, mesmo quando sofria o contato da defesa, alternando entre finalizar e ofertar bons passes aos seus companheiros.

E foi dentro desses espaços inicialmente criados pelas infiltrações de Rafael, foi que emergiu o nome do jogo. Lucas Barros aproveitou-se muito bem dos desequilíbrios criados na defesa do Rappers para pontuar.

Contudo, Fernando Costa e Rodrigo Silva, também obtinham enorme sucesso contra a defesa da Rural, mantendo o Rappers a frente o marcador, durante todo o período inicial.

Faltando 4 segundos para o fim do primeiro quarto, quando o Rappers vencia a partida por 18 x 13. Rafael, até então peça importante da Rural, ao tentar mais uma infiltração, sofreu um desequilíbrio, atropelado o adversário (cometendo falta de ataque), e aparentemente deslocando o próprio ombro na queda. O que gerou enorme aflição a todos os presentes.

2º Período:

Na  volta para o segundo quarto, já sem Rafael na equipe, o Rural Basquete obteve enorme sucesso explorando as jogadas de garrafão e empatou a partida numa corrida de 5x0, aproveitando-se de uma formação mais baixa do Rappers, explorando bem os seus pivôs.

Recuperado, Rafael ainda pode voltar á quadra a tempo de ajudar sua equipe a virar o jogo, obrigando o Rappers a parar o jogo com um pedido de tempo.

Contudo a estratégia do rappers não surtiu efeito, com Lucas Barros cada vez mais dono da partida, o Rural basquete comandou o placar até o fim do quarto, quando saiu vencendo por 28 x 26.

3º Período:

Jogando pendurado Fernando até que tentou evitar a marcação nos primeiros lances do terceiro quarto, mas a eliminação não tardou a chegar, com pouco mais de cinco minutos para o fim do quarto, o melhor jogador do Rappers foi eliminado com 5 faltas. Mexendo com os brios da equipe e obrigando-a a apresentar novas armas para enfrentar o adversário, ao ver-se espido do "passe pro Will", que marcou esta equipe durante toda a temporada.

Nesta nova situação coube ao Flávio Costa, assumir a liderança até então exercida por seu irmão, destacando-se nas ações ofensivas da equipe, jogando com bastante agressividade em relação à cesta.

A moral elevada do adversário obrigou a Rural a pedir um tempo para esfriar os ânimos e retomar o controle do jogo.

Controle esse que apareceu, sobretudo diante da boa atuação de Hugo Andrade, que ao lado de Lucas Barros comandava as ações do Rural Basquete, Mantendo a pequena vantagem para o período derradeiro 42 x 40.

4º Período:

A parada não fez nada bem ao Rappers, passado aquele momento de mobilização coletiva, os Rappers não teve forças, sem principal jogador, para lidar com o adversário, que não demorou a abrir vantagem no placar.

Com a boa vantagem estabelecida no marcador o Basquete Rural, que não teve muito trabalho para administrar o jogo e trocar pontos para vencer o duelo por 60 x 48.

Destaques:

Lucas Barros (Rural): 21pts, 15reb, 4ass 1rou e 1toc;

Hugo Andrade (Rural): 16pts, 3reb, 6ass e 1rou;

Fernando Costa (Rappers): 18pts e 7reb;

Rodrigo da Silva (Rappers) 16pts, 10reb e 1ass.

Published in Liga B
Segunda, 06 Novembro 2017 15:36

Mackenzie se impõe e vence o Vasco no +45

Neste domingo dia 5 de novembro o S.C.Mackenzie recebeu o Vasco da Gama em partida válida pela fase de classificação da categoria Master +45.

Mackenzie x vasco 45

 

O jogo:

A Bola subiu e na primeira tentativa, Migão pivô do Vasco da Gama, percebeu que não teria vida fácil. Ao receber na área pintada o atleta do Vasco rapidamente se deparou com três atletas do Mackenzie que o cercavam e mostravam qual seria o ritmo da defesa do Mackenzie na partida.

Por falar em ritmo, ninguém avisou ao Mackenzie que era uma partida da categoria Master, com isso o time do Méier imprimiu um ritmo alucinante e abrindo 8 x  2 no placar e obrigando o técnico do Gigante da colina a pedir um tempo e parar o jogo.

O tempo surtiu efeito e o Vasco apesar de não cortar a vantagem igualou as ações e diminuiu a incidência de contra ataques.

A melhora vascaína não durou muito tempo. aos poucos o Mackenzie voltou a elevar a intensidade e abrir vantagem (25x13), ao fim do primeiro quarto.

Com as duas equipes de volta a quadra o Vasco aos poucos foi imprimindo uma defesa mais agressiva no perímetro tirando a liberdade do Mackenzie para criar e arremessar.

A reação vascaína cortou a vantagem para apenas 4 pontos a dois minutos para o fim da primeira etapa. Obrigabdo o técnico do Mackenzie a pedir um tempo na tentativa de manter a vantagem.

A estratégia foi bem sucedida, o Mackenzie conseguiu voltar melhor e impulsionados pelas brilhantes atuações de Renato da Silva e Irapuã, foi para o intervalo de jogo vencendo por uma boa margem de pontos.

Depois do intervalo o Mackenzie retomou a pegada do primeiro quarto. Jogando com muita intensidade e realizando contra ataques em profusão,  não demorou muito para equipe abrir larga vantagem, função executada com maestria sob a batuta de Renato da Silva, que distribuiu assistência, como que da docês em dia de Cosme e Damião.

Depois disso não coube muito mais que administrar a partida e garantir uma excelente vitória por 72 x 55.

 

Destaques:

Renato da Silva (Mackenzie): 20pts, 8reb, 16ass e 5rou;

Irapuã (Mackenzie): 24pts, 2ass e 1 rou;

Loirinho (Vasco da Gama): 15pts, 3reb e 1ass.

Published in Master

O último domingo dia 5 de novembro de 2017, amanheceu com a notícia triste, do falecimento de Edinei Moreira Santana, o nosso eterno Bahia, vítima da violência que asola o nosso país.

Como não poderia ser diferente após a confirmação deste fato todos os jogos da rodada respeitaram um minuto de silêncio, em uma justa homenagem póstuma, a um atleta da LSB, que teve sa vida tomada de maneira tão abrupta.

Uma das principais sedes dos jogos da rodada deste domingo o S.C. Mackenzie abriu as portas para receber quatro jogos da LSB, e o terceiro jogo do dia foi nada mais nada menos que um jogo três da série de oitavas de final da LIGA B.

Hoops x Fears

Na primeira partida da série, o Hoops fez valer o favoritismos e abriu 1x0 jogando na Vila Olímpica de Mesquita. No entanto, no jogo dois, atuando dentro dos seus domínios (S.C. Anchieta), o Fears empatou a série em uma virada espetacular, forçando o jogo três e adicionando mais emoção à disputa.

 

O jogo:

A partida começou com ambas as equipes jogando com bastante intensidade. As duas defesas se mostraram bastante combativas, enquanto os ataques eram extremamente agressivos em relação à cesta.

Embora fossem as duas equipes que apresentavam os elementos descritos,. Era apenas o Hoops que os executava dentro de uma dinâmica que privilegiava a movimentação da bola no ataque e uma boa execução técnica dos movimentos.

Esse cenário permitiu ao Hoops abrir 11 pontos, e fechar o primeiro quarto vencendo por 21 x 10.

Na volta do intervalo o Fears ensaiou uma reação  com uma "corrida" de 4x0. No entanto, a principal dificuldade da equipe (armação das jogadas) voltou a falar mais alto.

E o Hoops novamente abriu 10 pontos de diferença em relação rival.

Contudo a essa altura a movimentação de bola do Hoops já não era mais a mesma. O que acabou dando moral pra defesa do Fears que impulsionou nova reação, com as equipes indo para intervalo com o Hoops vencendo por 31 x 25.

Se a última boa jogada do primeiro tempo foi um toco espetacular de café dos Hoops. A primeira jogada do segundo período foi uma excelentroca de passrs entre Glauber e Cris Costa, que terminou com cesta do primeiro.

Se o Hoops não conseguia mais imprimir a mesma troca de passes que envolveu o Anchieta no início da partida, compensava com boa movimentação, o que permitia ao time manter certo controle do jogo, mesmo durante os bons momentos do adversário no jogo.

Na reta final do terceiro quarto um nome passou a chamar a atenção foi João Paulo, o atleta to Hoops emplacou uma sequência de bandeja em contra ataque, arremesso por cima da marcação, rebote ofensivo, que mesmo com a iniciativa de Jeferson Benvido por parte do Anchieta, dava mostras que o Hoops não daria sopa para o azar. Indo para o último período com o placar apontando 53 x 39 para o Hoops.

A impressão deixada no fim do terceiro quarto, foi confirmada pelas ações do último. Apesar de tentar uma reação, O Fears não conseguiu mais do que cortar a vantagem para sete pontos. No fim, uma vitória (69x60), merecida do Hoops, espantando a zebra e garantindo a vaga das quartas de final da LIGA B.

 

Destaques:

João Paulo Bou Dib (Hoops): 20pts, 5reb, 4ass e 3rou;

Thiago Camilo (Hoops): 10pts, 6reb, 1rou;

Mauro Paulo (Hoops): 5pts, 11reb, 2ass, 1rou e 2toc;

Cris Costa (Fears): 23pts, 7reb, 3ass 2rou e 1toc.

Jeferson Benvindo (Fears): 8pts, 8reb, 1ass e 1toc.

Published in Liga B

O último domingo dia 5 de novembro de 2017, amanheceu com a notícia triste, do falecimento de Edinei Moreira Santana, o nosso eterno Bahia, vítima da violência que asola o nosso país.

Como não poderia ser diferente após a confirmação deste fato todos os jogos da rodada respeitaram um minuto de silêncio, em uma justa homenagem póstuma, a um atleta da LSB, que teve sa vida tomada de maneira tão abrupta.

Mackenzie x Fears

Apesar da comoção de todos com o fato, a bola subiu, e um dos principais palcos da rodada foi o S.C. Mackenzie, que abriu as portas para quatro partidas da LSB.

A última partida do dia ocorreu em o time da casa, e o Anchieta Fears, partida válida pela fase de classificação da categoria, master +35.

Não demorou muito tempo após o bola ao alto para o Mackenzie impor sua superioridade e estabelecer um ritmo que o adversário não pode acompanhar.

Principal destaque dos donos da casa Anderson de Souza era a principal válvula de escape do Mackenzie, tendo sido imprescindível para o time estabelecer um ritmo tão acelerado desde o início da partida.

É bem verdade que as virtudes do Mackenzie foram ressaltadas pelas deficiências da defesa do Anchieta.

Muito embora o Gigante da Zona Oeste, ainda contasse com Jeferson Benvindo e Edmilson Fena que carregavam o ataque do Fears, não foi o bastante para segurar o líder invicto da competição, que também contou com Raphael Zaremba, Nelson Luiz e Nilo Incêndio como destaques não belíssima exibição, que terminou com o placar de 125 x 58 para o time do Méier.

Published in Master

O Campeonato Estadual Amador está em sua reta fina. Às vésperas das semifinais, muitos times bons já deram adeus a competição e a briga pelo título fica mais emocionante a cada dia.

Sobre esses grandes times que desfilaram e ainda desfilam seu basquetes pelas quadras da LSB, eu resolvi aprontar mais uma daquelas minhas listas. E como todas as outras não tem muito efeito prático, mas simboliza minha admiração pelo trabalho executado por todos os citados.

Como sempre, não custa lembrar que minhas listas não representam nenhuma premiação oficial da LSB, refletindo única e exclusivamente minha singela opinião.

941916 183008368521614 1388306599 n

Dito isso, vamos ao que interessa. abaixo eu listei o primeiro, segundo e terceiro time do Campeonato Estadual Amador. E pra isso eu levei em consideração tudo que os atletas apresentaram na competição até aqui (temporada regular e playoffs).

 

Primeiro Time:

Armadores: A dupla de armação conta com dois dos melhores jogadores da competição. Tanto Douglas quanto Daniboy, foram extraordinários nessa temporada, revezando-se entre pontuar e criar, os dois comandaram equipes jovens a campanhas incríveis:

Douglas Rodrigues (Jacarepaguá T.C.): 21pts, 5,71reb, 4,71ass, 2,5rou e 0,14toc;

Daniel Batista (C. Municipal): 21,11pts, 2,67reb, 2,11ass, 1,44rou e 0,11toc.

 

Alas: Já disse em outra lista que Vitinho foi o melhor jogador da temporada regular, e nos playoffs também não decepcionou e garantiu seu lugar no time. Outro que teve uma atuação individual esplêndida foi o Banana, que definitivamente não poderia esquecido por mim:

Victor Leal (Faculdade Gama e Souza/Trovões): 24,91pts, 4,36reb, 3ass, 2,54rou e 0,27toc;

Eduardo Banana (Anchieta Fears): 24,5pts, 9,25reb, 1,75ass, 3rou e 1,5toc.

 

Pivô: Se durante a temporada regular Marcelão já arrancava meus aplausos, enquanto os técnicos adversários arrancavam os cabelos pensando no estrago que ele fazia, dentro e fora da área pintada, Nos playoffs ele subiu o nível e está liderando o Kobras no sonho do bicampeonato:

Marcelão (Kobras Basketball): 8,89pts, 14,56reb, 1,44ass, 0,66rou e 1toc.

 

Segundo Time:

Armador: É bem verdade que Augusto Pablo está longe de ser um playmaker, eu mesmo não sou fã do estilo de jogo do Armador do Bad Angels. contudo nada disso me impede de ver que o Bicampeão do Estadual Amador só permanece de na primeira divisão graças a ele:

Augusto Pablo (Bad Angels): 20,90pts, 2,78reb, 3,80ass e 1,60rou.

 

Alas: Capilé e Léo Medeiros representam o que tem de melhor na LSB, uma o primeiro uma lenda que ainda figura entre os melhores da liga enquanto o outro começa assumir lugar de destaque entre os melhores jogadores do Rio de Janeiro:

André Capilé (AVBN Niterói/Escobase): 15,5pts, 7,5reb, 3,56ass e 2,3rou;

Léo Medeiros (UVA/Mackenzie): 16,67pts, 6,83reb, 2,67ass, 2,60rou e 0,58toc.

 

Pivôs: Dois legítimos representantes de equipes que esperávamos ver nas semifinais do Estadual Amador. Herbert fez uma reta fina de fase regular digna de todos os elogios, já Iago Frontini, foi bem na fase regular mais foi ainda melhor nos playoffs:

Herbert Luis (UVA Tijuca/Mackenzie): 11,17pts, 8,75reb, 1ass, 1,25rou e 0,67toc;

Iago Fortini (3Rios Basquete): 11pts, 11,12reb, 2ass, 2rou e 0,52toc.

 

Terceiro Time:

Armadores: O armador do Niterói é sem dúvida um dos principais motivos do time estar fazendo uma campanha tão brilhante. Enquanto Maurinho ao lado de David foi responsável por manter o Vila da Penha entre as melhores campanhas do grupo B:

Israel José (Niterói B.C.): 9,66pts, 3,11reb, 4,22ass e 2rou;

Maurinho (Vila da Penha): 18pts, 3reb, 2,43ass, 1,71rou e 0,14toc.

 

Ala: A barba mais famosa do Méier não poderia ser esquecida. O melhor jogador, do melhor time do Grupo B, também tem sua vaga garantida entre os melhores.

William Arriel (S.C. Mackenzie): 9,88pts, 9,63reb, 1,88ass, 1,75rou e 0,38toc.

 

Pivôs: Essa dupla mostrou grande desempenho nas duas tábuas tendo impacto tanto defensivo como ofensivo em suas equipes. Marchon ainda briga com aLiga das justiça por voos maiores, Enquanto Beto já deu adeus a competição:

João Marchon (Liga da Justiça): 10,56pts, 8,22reb, 1,33ass, 1,5rou e 1,78toc;

Beto (Faculdade Gama e Souza/Trovões): 13,5pts, 8,25reb, 1,5ass, 1,08rou e 0,75toc.

 

Então por enquanto é só pessoal, espero que tenham curtido.

Published in Estadual
Página 1 de 6
Top