Quinta, 15 Fevereiro 2018 13:04

Conheça o Athletic Meriti

Written by

Falta poucos dias para a temporada regular começar e muitos times começam a surgir no nosso radar, mas um projeto em especial nos chama a atenção: Athletic Meriti.

WhatsApp Image 2018 02 11 at 23.53.43

O projeto montado por Robson Lourenço e Diogo Luciano compõe o Athletic Meriti desde novembro de 2016, chega esse ano totalmente reformulado e pronto para atuar na Liga Super Basketball (LSB). Mas antes de falarmos sobre os times que vão atuar esse ano na LSB, vamos falar do belo projeto criado. 

A criação do Atlhetic Meriti foi após a identificação da necessidade de um núcleo permanente de ensino do basquetebol em São João de Meriti e Baixada Fluminense, segundo o Robson. Na Baixada Fluminense, são poucos pontos que oferecem opções de entretenimentos para os jovens, tais como o esporte e o lazer, isto intensifica os riscos sociais os quais os jovens são expostos.

Esse projeto esportivo/educacional visa à integração social das crianças e adolescentes residentes na Baixada Fluminense por meio da promoção do direito ao esporte e ao lazer. Com o objetivo de formar atletas, cidadãos críticos e conscientes.

Atualmente a o projeto já possui 40 alunos e para quem quiser também ser aluno do projeto, o Robson dá o recado: “Os treinos ocorrem às terças e quinta, de 15h às 19h, na Praça Gil em São João de Meriti, abrangendo as categorias sub 14, 16, 18 e adulta, masculina e feminina. Importante ressaltar que os treinos são gratuitos e que qualquer pessoa da Baixada Fluminense, independente de idade, pode participar”.

Além de todo o trabalho social, a equipe vai estrear na LSB esse ano como foi dito a acima. O Athletic Meriti vai jogar a Liga B e as categorias de base, sub-14/16 e 18.

Esse é o tipo de projeto que o nosso estado e a Baixada Fluminense precisa. Robson que também é jogador do Club Municipal (vice-campeão do Estadual Amador), mostra mais uma vez a sua competência em criar projetos sociais. Parabéns Robson e Diogo Luciano pela criação do Athletic Meriti.

Chega ao fim o período de inscrições da Liga B para essa temporada de 2018 e tivemos um recorde de procura esse ano. Mostrando que a Liga Super Basketball está cada vez mais reconhecida no estado do Rio de Janeiro.

As equipes disputarão um dos campeonatos mais equilibrados da LSB e que sempre nos proporcionam ótimas partidas. Esse equilíbrio que vemos na competição, é muito por conta dos times estruturados que estão presentes nela e jogadores com boa qualidade individual.

O treinador Felipe Alexandre, campeão com a UVA Tijuca em 2016 e com o Mackenzie B na temporada passada, falou um pouco sobre a importância dessa competição.

“A Liga B para mim é fundamental. Espetacular o nível de competitividade que eu encontrei, equipes muito fortes, equipes que ao meu ver fariam um papel muito bom no Campeonato Estadual Amador. Ano passado tivemos quatro equipes classificadas, mas eu coloco pelo menos dez equipes que poderiam jogar em muito bom nível no Campeonato Estadual Amador”.

Agora que vimos o papel fundamental que o campeonato tem, só fica uma pergunta no ar: quem será o campeão de 2018 da Liga B?

Terça, 12 Dezembro 2017 14:26

O que eu aprendi com o Mackenzie B

Written by

Antes de mais nada, esse é um texto com a minha opinião pessoal sobre essa equipe.

Intensidade! Amadurecimento! Conjunto!

São as três palavras que descrevem facilmente a equipe do Mackenzie B.

Jogar uma Liga B que possui muitos times bons e experientes, pode ser a fórmula ideal para um elenco jovem ter grandes dificuldades. Sim, essa seria a leitura correta para um time que não possui o comando do Felipe Alexandre.

É difícil não começar o texto sobre o Mackenzie B, sem citar o Felipe Alexandre. Treinador que é passional e com um QI de basquete absurdo. Colocou o seu pensamento do que é basquete, na cabeça dos seus jogadores como se fosse feita uma lavagem cerebral em cada um dos seus comandados.

A primeira palavra que citei que descreveria o time, vem justamente dele. A intensidade que o Felipe mostra em todas as partidas comandando a equipe, foi correspondida pelos os jogadores. O time parecia que não cansava nas partidas e todo jogo era jogado como se fosse uma final.

Essa intensidade, foi determinante em algumas partidas. Com o passar dos jogos, os adversários viam que todo jogo contra o Mackenzie, seria uma guerra em quadra. Pois o Felipe pilhava tanto os seus jogadores, que se a outra equipe não entrasse com 200% de foco, a derrota era iminente.

Além da intensidade, outro ponto que me chamou a atenção, foi o amadurecimento dos jogadores. João Vitor parecia um jogador experiente, quando pegava rebotes importantes e mostrava frieza após acertar arremessos do perímetro importantes. Matheus Lage tem um footwork e noção de espaço, que poucos jogadores tem com a idade dele e o que dizer do Guilherme e Marley? Jogadores playmakers e que conseguiam liderar bem o Mackenzie em quadra e possuíam uma boa leitura de jogo.

A maior prova de amadurecimento, era nos momentos que o time estava atrás no placar. A equipe entendia o que era preciso fazer para reverter o placar e conseguia manter o foco no objetivo.

Eu citei alguns jogadores acima como exemplo, mas é injusto falar só de alguns. O conjunto do Mackenzie foi algo espetacular nessa temporada. Um time que foi a cara do Felipe, que correspondia taticamente e muito unido.

No fim, não foi o jogador “X” que foi fundamental para o acesso e título da Liga B e sim a união desses jogadores.

O Mackenzie B me ensinou que jogadores aplicados taticamente, elenco homogêneo, treinador intenso e com ótima leitura de jogo, foi a fórmula de sucesso do time esse ano.

Antes de terminar esse texto, deixo um recado para as equipes do Campeonato Estadual Amador: abram o olho, o time de garotos joga feito homens.

Neste domingo dia 26 de novembro de 2017, o Complexo Esportivo Miécimo da Silva, abriu as portas do Ginásio Zennny de Azevedo (justa homenagem ao lendário Algodão), para receber mais uma rodada da Liga Super Basketeball. e o segundo confronto do dia se deu entre Rio Sport e BMC Air Balls, válido pela Liga C.

rsc x bmc

O Jogo:

 

1º Tempo:

A partida começou em um ritmo muito forte, com as duas equipes obtendo sucesso em bater a defesa adversária pra pontuar.

Aos poucos os trabalhos defensivos foram ganhando corpo, com direito até mesmo, a um estouro de 8 segundos por parte do Rio Sport, graças a um belo trabalho defensivo do BMC Air Balls, que subiu a marcação e prendeu o adversário na própria quadra de defesa..

A bem da verdade, pra quem acompanhou a temporada, tanto BMC Air Balls, quanto Rio Sport tiveram uma das suas melhores atuações neste primeiro tempo de jogo.

Pudemos observar ambas as equipes apresentando um trabalho bem consciente e equilibrado no jogo de cinco contra cinco. Cada uma ao seu estilo, e quanto o Rio Sports trabalhava com bastante movimentação ofensiva no intuito de movimentar a defesa e encontrar espaços para pontuar, o Air Balls, baseava seus jogos nos cortes em direção a cesta, causando desequilíbrios através dos quais se aproveitavam para pontuar.

Melhor para o Air Balls que não tardou à assumir a liderança do placar, tomando a dianteira desde o início da disputa.

 

2º Tempo:

No segundo tempo de jogo as equipes claramente diminuíram o ritmo do jogo. Um resultado natural do desgaste provocado pelo início de partida bastante acelerado, somado ao forte calor sentido no Ginásio Zenny de Azevedo, no complexo esportivo Miécimo da Silva.

Apesar do ritmo mais cadenciado, as duas equipes mantiveram o bom trabalho da bola no ataque, pior para Rio Sport que não conseguia ameaçar a liderança do adversário.

Por tudo isso, não coube ao Air Balls muito mais do que controlar a partida e administrar o placar para garantir a vitória com direito a duplo duplo de Paulo Santos que saiu  do jogo com (14pts e 10reb ).

Final 35 x 25, para o BMC Air Balls.

 

Destaques:

Paulo Santos (BCM): 14pts, 10reb e 3rou;

Renato Magalães (Rio): 4pts, 15reb, 2ass e 2rou.

Neste domingo dia 26 de novembro de 2017, O Complexo Esportivo Miécimo da Silva mais uma vez abriu as portas do Ginásio Zenny “Algodão” de Azevedo, para abrigar os jogos da LSB. E a primeira partida do dia ocorreu entre Rural Basquete e Rappers, abrindo os trabalhos da Liga C.

Rural x Rappers

O Jogo:

1º Período:

O jogo começou bastante corrido com ambas as equipes apresentando boa movimentação ofensiva.

Pelo lado do Rappers, como sempre, Fernando é quem ditava o ritmo do ataque, com seu conhecido ímpeto e ritmo acelerado, o jogador do Rappers começou o jogo ligado em 220 V, tanto para atacar a cesta, quanto para defender, o que rapidamente lhe deixou com problemas com as faltas.

Pelo lado do Rural Basquete, o primeiro a se destacar  foi Rafael. O camisa 10, conseguiu apresentar boa imposição física, para levar vantagem contra os adversários, o que lhe permitiu sucesso em infiltrações, mesmo quando sofria o contato da defesa, alternando entre finalizar e ofertar bons passes aos seus companheiros.

E foi dentro desses espaços inicialmente criados pelas infiltrações de Rafael, foi que emergiu o nome do jogo. Lucas Barros aproveitou-se muito bem dos desequilíbrios criados na defesa do Rappers para pontuar.

Contudo, Fernando Costa e Rodrigo Silva, também obtinham enorme sucesso contra a defesa da Rural, mantendo o Rappers a frente o marcador, durante todo o período inicial.

Faltando 4 segundos para o fim do primeiro quarto, quando o Rappers vencia a partida por 18 x 13. Rafael, até então peça importante da Rural, ao tentar mais uma infiltração, sofreu um desequilíbrio, atropelado o adversário (cometendo falta de ataque), e aparentemente deslocando o próprio ombro na queda. O que gerou enorme aflição a todos os presentes.

2º Período:

Na  volta para o segundo quarto, já sem Rafael na equipe, o Rural Basquete obteve enorme sucesso explorando as jogadas de garrafão e empatou a partida numa corrida de 5x0, aproveitando-se de uma formação mais baixa do Rappers, explorando bem os seus pivôs.

Recuperado, Rafael ainda pode voltar á quadra a tempo de ajudar sua equipe a virar o jogo, obrigando o Rappers a parar o jogo com um pedido de tempo.

Contudo a estratégia do rappers não surtiu efeito, com Lucas Barros cada vez mais dono da partida, o Rural basquete comandou o placar até o fim do quarto, quando saiu vencendo por 28 x 26.

3º Período:

Jogando pendurado Fernando até que tentou evitar a marcação nos primeiros lances do terceiro quarto, mas a eliminação não tardou a chegar, com pouco mais de cinco minutos para o fim do quarto, o melhor jogador do Rappers foi eliminado com 5 faltas. Mexendo com os brios da equipe e obrigando-a a apresentar novas armas para enfrentar o adversário, ao ver-se espido do "passe pro Will", que marcou esta equipe durante toda a temporada.

Nesta nova situação coube ao Flávio Costa, assumir a liderança até então exercida por seu irmão, destacando-se nas ações ofensivas da equipe, jogando com bastante agressividade em relação à cesta.

A moral elevada do adversário obrigou a Rural a pedir um tempo para esfriar os ânimos e retomar o controle do jogo.

Controle esse que apareceu, sobretudo diante da boa atuação de Hugo Andrade, que ao lado de Lucas Barros comandava as ações do Rural Basquete, Mantendo a pequena vantagem para o período derradeiro 42 x 40.

4º Período:

A parada não fez nada bem ao Rappers, passado aquele momento de mobilização coletiva, os Rappers não teve forças, sem principal jogador, para lidar com o adversário, que não demorou a abrir vantagem no placar.

Com a boa vantagem estabelecida no marcador o Basquete Rural, que não teve muito trabalho para administrar o jogo e trocar pontos para vencer o duelo por 60 x 48.

Destaques:

Lucas Barros (Rural): 21pts, 15reb, 4ass 1rou e 1toc;

Hugo Andrade (Rural): 16pts, 3reb, 6ass e 1rou;

Fernando Costa (Rappers): 18pts e 7reb;

Rodrigo da Silva (Rappers) 16pts, 10reb e 1ass.

No domingo, o Jequiá Iate Clube recebeu o Império São Cristóvão pela categoria Liga B e conseguiu uma boa vitória por 70-61.

A partida teve altos e baixos bem claros. Os dois times tentaram usar o perímetro, mas a eficiência das equipes foi realmente baixa.

A melhor saída ofensiva das equipes, foram o trabalho no high post e no low post. Usando bastante os seus centers e power forwards para pontuar nos layups.

Mas a regularidade na partida, não foi vista nesse jogo. As equipes trocavam diversas vezes a liderança no placar, mas por conta dos erros no ato final do ataque de cada time.

Então, a partida seria decidida nos mínimos detalhes. Mas o tal detalhe, foi a falta de foco e ela foi cruel com o time do Império. A equipe não conseguia encaixar bons ataques e parecia perdido na defesa.

Jequiá aproveitou muito bem e venceu o último quarto por 17-8, terminando conquistando essa ótima vitória.

No fim, o destaque do Jequiá foi o Igor Ricardo com 19 pontos. Pelo lado do time de são Cristóvão, o destaque foi o Diego Pinto com 18 pontos.

Sexta, 10 Novembro 2017 17:10

Império São Cristóvão avança

Written by

Império São Cristovão, reage e elimina o Campo Grande Spartans

 

aaab

 

A equipe do Império São Cristovão , reage de maneira sensacional, vence a partida por 58 x 53, e passa para as quartas de finais.

Em partida realizada no ginásio do S.C.Mackenzie , no último dia 02 de Novembro, a equipe do  Império São Cristovão , mostrou o seu poder de reação e virou a partida de maneira sensacional.

O primeiro período começou com a equipe  do Campo Grande Spartans , com um impressionante poder ofensivo, com isso chegou a vencer por 11 x 0 ; somente quando faltavam 5 minutos e 27 segundos , para o término do período, que o Império São Cristovão converteu seus primeiros pontos, o primeiro período terminou com a vitória parcial da equipe da Zona Oeste por 18 x 9.

No segundo período a  diferença chegou a 15 pontos, após uma cesta de 3 pontos do Pedro Oliveira da equipe do Campo Grande Spartans; quando faltavam 5 minutos e 2 segundos para término do período ; após essa cesta o técnico Willian de equipe de São Cristovão; solicitou um tempo debitado , para acertar e motivar a equipe que se encontrava  apática em quadra; com isso a equipe do Império , voltou para quadra iniciando sua reação com uma sequência de  14 pontos até o final do período;  terminando o  período com o placar parcial de  30 x 27 , a favor do Campo Grande Spartans.

 No retorno do intervalo, parecia que a equipe do Campo Grande voltaria a manter o mesmo padrão de jogo do início da partida, com uma cesta de 3 pontos convertida, pelo Pedro Oliveira, logo no começo do período; mas quem comandou este período foi a equipe do Império, que passou no placar a primeira vez , quando faltavam 7 minutos e 17 segundos para o término do terceiro período, e a partir desse momento , converteu mais  11 pontos;  vencendo este período por 20 X 7 ; e com o placar da partida em 47 x 37 a seu favor.

 A equipe do Campo Grande, voltou para o quarto período disposta a virar o placar , mesmo vencendo o período por 16 x 11 , não foi suficiente para vencer a partida, a diferença conquistada pela equipe do Império no terceiro período , foi fundamental , para que a equipe do Império vencesse a partida por 58 x 53 ; fechando a série em 2 x 0 , e conquistando a vaga para as quartas de finais, quando enfrentará a equipe do Jequiá I.C..

Os destaques da partida  pela equipe do Império, foram : Rafael , o cestinha da equipe com 17 pontos e o Ivan Melo , com 11 pontos , 10 rebotes , 7 roubos de bola e 22 de eficiência e pela equipe do Campo Grande : Marcos Javan, cestinha da partida com 21 pontos .

Sexta, 10 Novembro 2017 17:01

Macaé Epics nas quartas de finais

Written by

Macé Epics vence São Gonçalo Basquete e passa para quartas de finais

 

macaé

 

Após  perder a primeira partida da série, na Vila Olímpica de Mesquita ,  e vencer a segunda partida jogando  no ginásio Juquinha , em Macaé ; onde o ponto marcante, foi o bom público presente no ginásio para apoiar a equipe local. A equipe do Macaé Epics , foi á São Gonçalo , jogar no ginásio da UNIVERSO ,na casa do adversário e  venceu por 72 x 57 , se classificando para as quartas de finais.

O primeiro período  começou com a equipe do São Gonçalo Basquete, com uma consistência muito boa no ataque , com menos de um minuto de jogo vencia por 7 x 0 , e parecia muito mais determinada para vencer a partida, mas quando faltavam 2 minutos e 42 segundos , após uma bandeja do atleta Pablo de Macaé , a equipe de Macaé passou a frente do placar (15 X 14), permanecendo na frente até o final do período, quando terminou vencendo por 19 X 16.

 O segundo período, foi marcado por muito erros de ambas as equipes, e o baixo placar de 11 x 6 , a favor da equipe do Macaé mostra muito bem ,o que aconteceu durante esse período; as equipes foram para o intervalo com a equipe do Macaé Epics vencendo por 30 x 22.

Com  as instruções passadas pelo técnico Paulo César, no intervalo , a equipe do são Gonçalo Basquete voltou muito determinada para o terceiro período, e com uma consistência muito forte no ataque , venceu o período por 24 x 14 ; indo assim para o último período vencendo a partida por 46 x 44.

O último período,  começou com a equipe de São Gonçalo, convertendo duas cestas e abrindo 6 pontos de vantagem , mas aos poucos a equipe de Macaé foi diminuído o placar e quando faltavam 5 minutos e 22 segundos após uma cesta de 2 pontos do Pablo ( grande destaque da partida ) , a equipe do Macaé Epics , passou na frente do placar , permanecendo assim até o seu final , vencendo assim a partida por 72 x 57.

Com esse resultado a equipe do Macaé Epics, enfrentará a equipe da FBMRJ ,nas quartas de finais,  por  uma vaga nas semifinais ,e consequentemente por uma vaga no Campeonato Estadual Amador em 2018.

 Os destaques da partida foram,  pela equipe do  Macaé :  Pablo ( 19 pontos , 17 rebotes , 7 assistências e 34 de Eficiência ) ;  e pela equipe do São Gonçalo : Paulo Renato ( 14 Pontos, 5 rebotes , 2 assistências  )

No sábado (04/11), o The Brothers enfrentou o Mad Lions pelo terceiro jogo da série da Liga B. No fim, o Mad Lions venceu por 69-47 e vai enfrentar o Hoops Basketball na próxima fase.

A partida foi tensa desde o começo. As duas equipes brigavam por cada espaço na quadra e víamos que pequenos erros poderiam ser decisivos no placar final.

Com boas jogadas do Daniel Nascimento (13 pontos e 6 rebotes), o time do The Brothers dava muito trabalho à defesa do Mad Lions e conseguia explorar bem o trabalho de infiltrações e arremessos do mid-range.

Além de fazer bons layups e um bom trabalho perto da cesta, o time conseguia fazer uma defesa que incomodava o adversário. Buscado o jogo mais físico.

O jogo foi duro até o final, mas no último quarto a tensão inicial foi o fator decisivo para um quarto pavoroso do time do The Brothers. A equipe mentalmente se perdeu e começou a errar bastante e cometer turnovers bobos. O Mad Lions não tem nada a ver com isso e soube aproveitar muito bem essa vantagem. Mad venceu o quarto por impressionantes 23-7.

A equipe do Mad Lions não apresentou o seu melhor basquetebol, mas com os arremessos do João Paulo Ventura (24 pontos, 3 rebotes e 5 assistências) do perímetro e um bom trabalho coletivo para fechar espaços na defesa e trabalhar bem o tempo no ataque, fizeram com que a equipe conseguisse se manter sólido até o final da partida.

O último domingo dia 5 de novembro de 2017, amanheceu com a notícia triste, do falecimento de Edinei Moreira Santana, o nosso eterno Bahia, vítima da violência que asola o nosso país.

Como não poderia ser diferente após a confirmação deste fato todos os jogos da rodada respeitaram um minuto de silêncio, em uma justa homenagem póstuma, a um atleta da LSB, que teve sa vida tomada de maneira tão abrupta.

Uma das principais sedes dos jogos da rodada deste domingo o S.C. Mackenzie abriu as portas para receber quatro jogos da LSB, e o terceiro jogo do dia foi nada mais nada menos que um jogo três da série de oitavas de final da LIGA B.

Hoops x Fears

Na primeira partida da série, o Hoops fez valer o favoritismos e abriu 1x0 jogando na Vila Olímpica de Mesquita. No entanto, no jogo dois, atuando dentro dos seus domínios (S.C. Anchieta), o Fears empatou a série em uma virada espetacular, forçando o jogo três e adicionando mais emoção à disputa.

 

O jogo:

A partida começou com ambas as equipes jogando com bastante intensidade. As duas defesas se mostraram bastante combativas, enquanto os ataques eram extremamente agressivos em relação à cesta.

Embora fossem as duas equipes que apresentavam os elementos descritos,. Era apenas o Hoops que os executava dentro de uma dinâmica que privilegiava a movimentação da bola no ataque e uma boa execução técnica dos movimentos.

Esse cenário permitiu ao Hoops abrir 11 pontos, e fechar o primeiro quarto vencendo por 21 x 10.

Na volta do intervalo o Fears ensaiou uma reação  com uma "corrida" de 4x0. No entanto, a principal dificuldade da equipe (armação das jogadas) voltou a falar mais alto.

E o Hoops novamente abriu 10 pontos de diferença em relação rival.

Contudo a essa altura a movimentação de bola do Hoops já não era mais a mesma. O que acabou dando moral pra defesa do Fears que impulsionou nova reação, com as equipes indo para intervalo com o Hoops vencendo por 31 x 25.

Se a última boa jogada do primeiro tempo foi um toco espetacular de café dos Hoops. A primeira jogada do segundo período foi uma excelentroca de passrs entre Glauber e Cris Costa, que terminou com cesta do primeiro.

Se o Hoops não conseguia mais imprimir a mesma troca de passes que envolveu o Anchieta no início da partida, compensava com boa movimentação, o que permitia ao time manter certo controle do jogo, mesmo durante os bons momentos do adversário no jogo.

Na reta final do terceiro quarto um nome passou a chamar a atenção foi João Paulo, o atleta to Hoops emplacou uma sequência de bandeja em contra ataque, arremesso por cima da marcação, rebote ofensivo, que mesmo com a iniciativa de Jeferson Benvido por parte do Anchieta, dava mostras que o Hoops não daria sopa para o azar. Indo para o último período com o placar apontando 53 x 39 para o Hoops.

A impressão deixada no fim do terceiro quarto, foi confirmada pelas ações do último. Apesar de tentar uma reação, O Fears não conseguiu mais do que cortar a vantagem para sete pontos. No fim, uma vitória (69x60), merecida do Hoops, espantando a zebra e garantindo a vaga das quartas de final da LIGA B.

 

Destaques:

João Paulo Bou Dib (Hoops): 20pts, 5reb, 4ass e 3rou;

Thiago Camilo (Hoops): 10pts, 6reb, 1rou;

Mauro Paulo (Hoops): 5pts, 11reb, 2ass, 1rou e 2toc;

Cris Costa (Fears): 23pts, 7reb, 3ass 2rou e 1toc.

Jeferson Benvindo (Fears): 8pts, 8reb, 1ass e 1toc.

Página 1 de 4
Top