Segunda, 11 Dezembro 2017 17:55

Bicampeões

Written by

Neste último domingo, que ficou conhecido como o domingo das finais, o S.C.Mackenzie foi o palco que recebeu quatro jogos decisivos, dentre os quais o jogo três das finais do Campeonato Estadual Amador, entre Municipa e Kobras, que haviam chegado até ali qualificados por terem as duas melhores campanhas de seu grupo, bem como terem performado muito bem durante toda a disputa de playoffs.

camp kobras

O Jogo:

 

1º Período:

A partida começou com uma grande expectativa, para saber como se comportaria o Municipal sem seu técnico e um dos seus principais jogadores (Rogger), ambos suspensos por terem sidos ejetados no fim do jogo dois.

Se no jogo dois Daniel Batista sentiu falta de uma maior participação do elenco de apoio, Somália e Raphael abriram 6 x 2, num recado claro de que hoje apoio não iria falar.

Apesar do Kobras aos pouco ter igualado o nível de intensidade e comandados pelo sempre veloz Irwing e Vini Franciscone também “igualou” o Marcador.

A partida seguiu assim, com Irwing e Franciscone ditando as regras da equipe verde, e as duas equipes se alternando na liderança, até o final, quando o Municipal ainda pode contar com bandejas de Daniel e Ronaldo para fechar na frente por 14 x 13.

 

2º Período:

Na volta pra quadra De Medeiros recebeu bom passe de Franciscone para dar início a um massacre que sem sombra de dúvidas decidiu o duelo. O quarto foi vencido pelo Kobras por 29 x 3, e neste período todas as ausências do Municipal foram sentidas: 1º apesar de contar com um bom técnico no banco (Leonardo Silva), essa equipe foi moldada desde o início da temporada, a imagem e semelhança de Gabriel Dutra, tendo feito enorme falta para administrar o péssimo momento de sua equipe; 2º Rogger, mais do que ser o segundo melhor jogador desta equipe, ele é exatamente o nome que mais aparece nos hiatos deste time, sempre que Daniel está bem marcado, ou a equipe como um todo cai de rendimento, Rogger é um porto seguro através do qual o Municipal se sustenta; 3º Daniel, sem sombra de dúvidas um dos melhores jogadores e toda competição, tendo feito um brilhante jogo dois o craque do Municipal não estava em um bom dia, e ainda sofreu novamente com a boa defesa de Pezão e Fraciscone.

Por falar nesses dois, foram sem sombra de dúvidas os grandes destaques do segundo quarto. O Kobras ainda pode contar com Marcelão e Wallace, precisos para transformar o sangramento em hemorragia e dar um passo largo em direção ao bicampeonato. As duas equipes foram para o intervalo com o placar apontado 42x17.

 

3º Período:

A essa altura a missão do Municipal era por demais ingrata diante da grande vantagem estabelecida pelo adversário, enquanto ao Kobras a luta parecia psicológica, haja vista que o semblante de cada jogador, remetia a uma luta interna para manter a concentração e não dar brechas para uma reação do adversário.

Neste panorama, apesar do Kobras ter passado quatro minutos sem pontuar, e da brilhante atuação de Ronaldo do Municipal, o time da tijuca venceu o período por apenas cinco pontos de vantagem indo para o quarto derradeiro perdendo por vinte pontos (53x33).

 

4º Período:

Se o semblante do Kobras no período anterior transparecia o nível de concentração de cada jogador. No último quarto o semblante dos jogadores do Municipal já davam mostras de que eles já não tinham forças para mudar a história da partida.

Com a grande vantagem estabelecida, e as belíssimas atuações individuais de Franciscone e Marcelão, o título voltou para as mãos do Kobras, que ainda se deu ao luxo de perder o período por 17 x16, para vencer a partida por 69 x 50 e se sagrar bicampeão do Campeonato Estadual Amador.

Este é o terceiro título consecutivo da equipe de Cabo Frio, que antes de estrear em 2016 no Estadual Amador, se sagrou campeã da LIGA B em 2015.

 

Destaques:

Franciscone (Kobras): 23pts, 1reb, 2ass e 2rou;

Marcelão (Kobras): 9pts, 12reb e 1rou;

Wallace (Kobras):  6pts, 2reb, 4ass e 3rou;

Ronaldo (Municipal):11pts, 6reb, 1ass e 4rou;

Raphael (Municipal): 9pts, 8reb, 1ass, 2rou e 3toc.

Sábado, 09 Dezembro 2017 01:08

Três transmissões agitam o domingo no Mackenzie

Written by

Neste domingo teremos um dia cheio de finais no Sport Club Mackenzie e três partidas vão ser transmitidas pelo Facebook e pelo Youtube.

Abaixo vou te falar um pouco sobre cada equipe e em quem você deve ficar de olho.

MACKENZIE B VS FBMRJ

24899686 1588851371137575 2277261845552745935 n

O time do Mackenzie, é um dos times mais consistentes desde o inicio do campeonato. Fizeram uma ótima temporada regular e cresceram cada vez ao longo da competição. É um time jovem e extremamente aplicado. Costuma fazer bem o jogo de transição e a dobra na marcação, a pedido do ótimo treinador Felipe Alexandre.

Pelo lado do FBMRJ, a equipe também fez uma boa temporada regular. Mas veio mostrando a sua qualidade nessa reta final. Mesmo perdendo o seu melhor jogador (Rafael Pougy), a equipe mostrou que tem armas ofensivas suficientes para chegar forte nessa final. Time que usa bem o 4 aberto e uma rotação ofensiva intensa.

Fique de olho:

João Vitor (Mackenzie) – Jovem jogador que ajuda bastante o Matheus “Foca” Lage dentro do garrafão. Possui ótimo timing para rebotes, usa bem o footwork para superar os seus adversários.

Diego Santana (FBMRJ) – Jogador que possui média de duplo-duplo (23 pontos e 16 rebotes) e vem sendo importantíssimo após a saída do Pougy. Consegue ser muito útil nos dois lados da quadra e ainda pode pontuar no perímetro.

MUNICIPAL VS IMPACTO

 

O time comandado pelo Gabriel Dutra vem alcançando grandes feitos nesse campeonato. Após fazer uma temporada regular bem conturbada, o time de “meninas” vem derrotando equipes como mulheres maduras. Depois que venceu a fortíssima equipe do NBR, o time chegou na final em outro patamar. Equipe que desempenha bem o jogo coletivo.

A equipe do Impacto mostra desde o início do campeonato o porquê de ser uma das melhores equipes desse ano. Time muito bem encaixado e que consegue manter um bom ritmo de jogo do início ao fim. Jogadoras experientes e que assumem bem o papel de decisão quando o time precisa.

Fique de olho:

Débora Reis (Municipal) – Fez jogos inconstantes na temporada regular, mas vem sendo decisiva nos playoffs e nessa final. Ótima center, com passagem por seleção brasileira e que é dominante no garrafão. Faz bem o box out, pega importantes rebotes e dá lindos tocos.

Taliciane do Nascimento (Impacto) – Armadora talentosa e rápida. Fundamental para que o time do Impacto tenha sucesso no seu ritmo de jogo. Dá bons passes e é importante nas infiltrações laterais. Dita a velocidade do ataque e vem sendo a jogadora mais sóbria em quadra.

KOBRAS VS MUNICIPAL

24910008 944708285684948 4092812575471692172 n

Os atuais campeões tiveram um ano conturbado. Com mudanças no elenco e com a saída do Renan Pimentel (ex-treinador) no meio da temporada. A equipe mostra que mesmo com esses problemas, é uma ótima equipe e tem valores individuais que poucos times possuem. Joga muito bem com o 4 aberto e pontua muito bem quando os seus jogadores buscam os layups.

A equipe da tijucana é uma das equipes mais organizadas nesse campeonato. Mesmo com a perda do Rogger na última partida, o time tem outras armas ofensivas que podem pontuar. Time que faz muito bem a marcação no 1-1 e que é inteligente nas escolhas das jogadas.

Fique de olho:

Vinicius Franciscone (Kobras) – O MVP na temporada passada, cresceu muito de produção nos últimos jogos e foi determinante para a vitória do time no último domingo. Jogador que marca bem no perímetro, faz bem a transição defesa-ataque e usa bem o Eurostep para buscar um bom layup.

Daniel Batista (Municipal) – Jogador fundamental para a construção de pontos da equipe desde o início da temporada. Consegue assumir bem o papel de playmaker e scorer do time. Jogador que possui um bom Qi de basquete e que deve ser a principal arma ofensiva da equipe comandada pelo Gabriel Dutra.

Nesse domingo, o Centro Esportivo Miécimo da Silva recebeu os jogos das finais da Liga Super Basketball nas categorias Estadual Amador e do Livre Feminino.

A primeira partida do dia, foi o confronto entre Club Municipal e o Impacto Basket pelo Livre Feminino.

Antes de falar sobre a partida, vale lembrar o que envolvia esse jogo.

Além de ser o jogo que poderia dar o título ao Impacto, a partida seria o reencontro entre Joyce Falcão e Camila Tomaz. As duas jogadoras se envolveram em um lance polêmico na primeira partida e tinha tudo para que a rivalidade na primeira partida entrasse em quadra nesse jogo.

O JOGO

Imaginavamos que o jogo teria as duas equipes com “sangue nos olhos” brigando por todas as bolas até o fim e isso não aconteceu. O time do Municipal desde o começo da partida apresentou um ritmo intenso na partida.

O duelo entre Joyce e Camila, ficou ofuscado pelo o que a Débora fez na partida. O ritmo intenso que o time comandado pelo Gabriel Dutra colocou na partida, passou pelo o desempenho absurdo da Débora Reis e da Bruna Gama.

A equipe do Municipal fez desde o início um bom controle de jogo no ataque, buscando trabalhar bem a bola até achar uma companheira de equipe livre para a finalização. Nesse momento que a Bruna apareceu muito bem. Ela foi de longe a jogadora mais consistente da equipe. Conseguiu cadenciar bem a partida, deu bons passes, finalizava bem e busca sempre fazer o simples.

Aliado a Bruna, a Débora foi “monstruosa” nos dois lados da quadra. Se na primeira partida ela já tinha conseguido dificultar a vida da Amanda Oliveira, nesse jogo ela praticamente engoliu a jogadora do Impacto. Dos 5 tocos que a Débora deu, 3 foram na Amanda e quando foi acionada no ataque, ela entregou quase todas as jogadas terminando em pontos ou em faltas recebidas.

Ela também ajudou bastante nos rebotes nos dois lados da quadra e foi fundamental para o time da Tijuca se manter sempre à frente do marcador.

Débora terminou o jogo com 13 pontos, 21 rebotes (10 ofensivos) e 5 tocos. A Bruna ajudou com 15 pontos, 5 rebotes e 3 assistências.

Deixo uma menção honrosa a Luciana Aparecida (15 pontos e 18 rebotes).

Pelo lado do Impacto, a equipe não mostrou o time que todos conhecemos. A equipe que é um dos times mais técnicos da competição, não conseguiu impor o seu jogo.

Mesmo a Amanda não se saído bem contra a Débora, ela foi a grande destaque do time em pontuação com 20 pontos e 9 rebotes. Mas a jogadora que tentou organizar a equipe em todo o momento e trazer as suas companheiras para a partida, foi a Taliciane do Nascimento.

A talentosa armadora, tentou desde o início achar espaços na defesa adversária e colocar o Impacto na partida. Ela terminou com 13 pontos e 8 roubos de bola.

Na primeira partida entre as equipes, uma terceira jogadora ajudou muito a dupla Amanda e Taliciane em quadra, principalmente dentro do garrafão e ela foi a Karine Martins. Mas foi justamente isso que faltou para o time do Impacto, aparecer pelo menos uma jogadora para ajudar ofensivamente a equipe da baixada fluminense.

No final, o Municipal dominou o jogo desde o inicio e venceu por 62-54 o Impacto. Com essa vitória, o Municipal igualou a série e levou a final para o jogo 3.

Quer saber o que aconteceu na partida da final do Estadual Amador entre Municipal e Kobras? Leia a ótima matéria do Diogo Aquino, famoso General Aquino.

Segunda, 04 Dezembro 2017 12:15

Kobras vence e nos presenteia um jogo 3

Written by

O palco não poderia ser melhor, o complexo esportivo Miécimo da Silva, abriu as portas do ginásio Zenny “Algodão” de Azevedo para receber os jogos de número dois das finais, masculino e feminino dos Campeonatos Estaduais Amadores da Liga Super Basketball.

Como manda a boa educação as damas foram primeiro, e você pode ver o que aconteceu nesta excelente matéria do nosso mago Felipe de Souza.

Já no Masculino as duas equipes foram a quadra com missões bem claras, ao Municipal cabia vencer e definir o campeonato sagrando-se campeão, confirmando o favoritismo e consagrando o excelente trabalho do trio Gabriel Dutra, Daniel Batista e Rogger Vianna, sem dar chances à recuperação e ao crescimento de um adversário de imensa qualidade como o Kobras.

Já aos atuais campeões, cabia entregar um algo mais, deixar na quadra o basquete que sempre se esperou, e pouco se viu deles nesta temporada, a equipe capitaneada por Tiago Binato, e Thiaguinho, tinha dentro de cada um dos integrantes uma vontade de apresentar o seu melhor basquete e provocar um jogo 3, que por sinal todos nós estávamos ansiosos por ver.

binato

O Jogo:

 

1º Período:

A bola subiu e de cara pudemos ver um Kobras diferente do que estávamos acostumados nesta temporada, jogando com bastante intensidade, em um ritmo impressionante, estabelecido por Irwing, os atuais campeões pressionavam na defesa e rodavam muito bem a bola no ataque.

Com essa solidariedade ofensiva que o time pode encontrar Binato duas vez sozinho para abrir o marcador e colocar 4 x 0 no placar.

No entanto, como não poderia deixar de ser, Daniel e Rogger no comando, o time da tijuca rapidamente igualou as ações, mantendo sempre a diferença em apenas uma posse de bola.

Até que à 21 segundos do fim, quando o marcador apontava 16 x 14 para equipe do Kobras, os atuais campeões sofreram uma dura baixa, aparentemente, uma entorse no joelho tirou Wallace da partida, que seguiu para o segundo período, com apreensão e a pequena vantagem da equipe do Kobras.

 

2º Período:

O segundo quarto começou e o Kobras, foi pra cima atropelando, emplacando uma corrida de 13 x 1, obrigado ao técnico Gabriel Dutra a pedir tempo, evitando um estrago ainda maior.

Pra piorar a situação, segundos antes do pedido de tempo o Municipal já havia perdido um dos seus principais jogadores, Rogger, assim como Wallace do Kobras, também se machucou, deixando Daniel Batista, em um voo solo na tentativa de fechar a série ainda no jogo dois.

O pedido de tempo até que ajudou, mas sem Rogger para desafogar Daniel Batista, o Municipal, foi uma presa fácil para o um Kobras que contava com excelentes atuações, Vinícius Franciscone, Victor Pezão, De Medeiros, e uma ótima sincronia de todo grupo, fazendo lembrar o time campeão da temporada passada.

Com tudo isso as duas equipes foram para o vestiário com o Kobras vencendo por 33 x 23.

 

3º Período:

Depois do intervalo as duas equipes voltaram um pouco nervosas, sentindo a responsabilidade de um jogo decisivo, não à toa, se passaram quase dois minutos, até que Ricardo Pereira convertesse os lances livres e inaugurasse o marcador no terceiro quarto.

A cesta de Ricardo parece ter sido um catalisador, que abriu o basquete de ambas as equipes, uma vez que dali em diante as duas equipes voltaram a encontrar o caminho para cesta. Melhor para o Kobras que com boas jogadas de Franciscone, Binato e De Medeiros, chegou a abrir 16 pontos de vantagem.

No entanto, com apenas dois minutos para o fim do quarto, Daniel Batista que até então não encontrava nenhum suporte ofensivo de seus companheiros, pode contar com André Lopes, Aslan e Robson, para aproveitar um apagão da equipe do Kobras e conseguir uma corrida de 10 x 0 que permitiu ao Municipal ir para o último quarto perdendo por apenas 7 pontos, mantendo a esperança do título ainda viva.

 

4º Período:

A reação no final do terceiro quarto não parou, bastou as equipes voltarem à quadra que reanimado pela ajuda dos companheiros Daniel pode comandar uma nova corrida, agora de 10 x 1, para virar a partida e mostrar o porque o Municipal, vem sendo aclamado como detentor da melhor equipe da competição.

Com a partida no pau, coube a Thiaguinho e Marcelão, darem as caras e com muita experiência pôr o Kobras novamente a frente no marcador.

O fim do jogo teve todos os elementos que uma partida como essa pede, em um momento crítico, onde poderia dar números finais ao duelo, Marcelão errou dois lances livre, com direito a Air Ball, por outro lado, antes disso foi Daniel Batista quem desperdiçou seus 3 arremessos livres.

Contudo isso, Kobras se manteve à frente e ainda pode contar com as desqualificações de Rogger (que estava machucado desde o segundo período), e só voltou a quadra, invadindo para reclamar da arbitragem e Gabriel Dutra, também por reclamar da arbitragem.

Ao final, vitória importantíssima do Kobras, com uma atuação coletiva brilhante, onde seis dos sete jogadores que tiveram tempo de quadra conseguiram sete ou mais pontos, onde seis dos sete também conseguiram seis ou mais rebotes, sem contar o belíssimo trabalho de Victor Pezão e Vinícius Franciscone fizeram defendendo Daniel batista, dando uma verdadeira demonstração de força e adianto a definição para um justíssimo jogo 3.

Já o Municipal teve um prejuízo enorme. Além de perder a partida, também perdeu Gabriel Dutra e Rogger desqualificados da partida, deixando uma missão duríssima, para Daniel Batista, que terá que se multiplicar na quadra para conseguir superar tantas dificuldade e realizar o sonho do título.

 

Destaques:

Tiago Binato (Kobras): 10pts, 6reb, e 1ass;

Marcelão (Kobras): 4pts, 14reb e 2ass;

De Medeiros (Kobras): 7pts, 10reb, 1ass e 1toc;

Daniel Batista (Municipal): 22pts, 3reb, 3ass e 2rou;

Diego (Municipal): 4pts, 8reb, 4ass e 1rou;

Raphael (municipal): 2pts, 8reb e 4toc.

No sábado (02/12) na Vila Olímpica de Mesquita, o Santo Elias recebeu o Atlântico. No final, o Santo Elias venceu o Atlântico por 67-57.

O jogo começou com as duas equipes buscando fazer layups e jogadas em transição. Esse foi o melhor caminho para os dois times no início da partida. Mas aos poucos vimos o Sr. Elias mostrar que também tinha arremessos do mid-range e do perímetro.

O Atlântico respondia com jogadas de muita força física dentro do garrafão e o bom uso do box outs ao seu favor. Por sinal, o jogo dentro da área pintada do Atlântico foi essencial para que a equipe ficasse na frente até o final do primeiro tempo.

Mas com uma bela jogada do Marcos Paulo no final do quarto, fez com que o Santo Elias fosse para o intervalo vencendo o jogo por 34-33.

Na volta do intervalo, os papéis se inverteram. O time do Atlântico que explorava bem o garrafão adversário, viu o St. Elias usar bem os espaços dentro do seu garrafão e começar a pontuar.

O número 5 fez três belas enterradas no terceiro quarto que colocou o time do St. Elias na frente e com moral. A partir desse momento, a equipe do St. Elias não saiu mais da frente do marcador.

A equipe explorou muito bem os espaços que achava na defesa do Atlântico. A equipe conseguia movimentar bem a bola no ataque e achava bem os companheiros livres. Os rebotes ofensivos, foram determinantes para que o St. Elias mantivesse um bom ritmo na reta final.

A equipe do Atlântico buscava reagir muito mais pela empolgação da torcida e pela a raça entregue em cada jogada. O time tinha as suas dificuldades, mas os pontos vieram justamente do jeito que o seu adversário mais atuou no primeiro tempo: no jogo de transição.

A equipe tinha dificuldades de dominar o garrafão como fez na primeira metade da partida e as infiltrações laterais e jogadas de transição defesa-ataque, foi a saída da equipe no segundo tempo

Mas no fim, vimos que a dupla Marcos Paulo (22 pontos e 5 rebotes) e o Bruno Alves (12 pontos, 14 rebotes e 3 assistências), foram os jogadores que regeram o ataque da equipe até o final.

Pelo lado do Atlântico, o destaque foi o Adriano Cezar. Ele terminou com 13 pontos e 15 rebotes.

Sábado, 02 Dezembro 2017 23:34

VQN se recupera na Copa Baixada e vence o Chatuba

Written by

No primeiro jogo na Vila Olímpica de Mesquita, o VQN recebeu o Chatuba pela Copa Baixada. No final, o VQN venceu a equipe do Chatuba por 69-22.

O VQN que estreou na Copa Baixada com uma derrota para o time do Queimados Warriors em jogo disputado no IBC.

Desde o início da partida, vimos a equipe do VQN usar bem a sua experiência ao seu favor. A equipe desde o começo, usou as infiltrações do Bruno Tapajós e a boa rotação ofensiva para pontuar.

A equipe usou a experiência dos seus jogadores para rodar bem a bola no ataque e usar o máximo possível dos 24 segundos ao seu favor. Com o ataque funcionando muito bem, o ataque soube conter o ímpeto ofensivo da jovem equipe do Chatuba

As equipes entregaram um jogo muito movimentado desde o começo. Foi uma partida basicamente de transição defesa-ataque.

A equipe do Chatuba foi a que mais colocou essa velocidade em quadra, mas o time não soube aproveitar bem o ritmo de jogo e o time queimava ataques de forma ansiosa. Em certos momentos a equipe do Chatuba conseguiu criar grandes dificuldades ao VQN, mas o time não soube manter o ritmo da partida.

Com isso, o VQN aproveitou bem as oportunidades e quando conseguiu abrir 10 pontos de vantagem, não saiu mais da liderança do jogo.

O Bruno Tapajós foi o destaque do VQN com 16 pontos, 5 rebotes e 3 assistências.

No sábado (25/11) teve a estreia da Copa Baixada com o confronto entre Queimados Warriors e VQN. Jogo disputado no Iguaçu Basquete Clube. No fim, o Queimados venceu o VQN por 53-42.

As duas boas equipes que disputaram a Liga B da Liga Super Basketball, estrearam na maior competição de basquete amador da baixada fluminense fazendo uma boa partida.

O nervosismo pela estreia na competição, foi evidente em ambas as equipes. Que comemoravam cada ponto convertido.

O primeiro tempo do jogo, foi de equilíbrio e apagão.

O primeiro quarto vimos as duas equipes ansiosas na finalização das jogadas e as jogadas começavam a fluir muito perto do aro. As jogadas de infiltrações era o carro chefe das duas equipes. Nesse primeiro quarto, vimos muito equilíbrio. As duas equipes terminaram empatadas em 12 pontos.

Mas como disse anteriormente, também teve o apagão e isso aconteceu com o VQN. A equipe que conseguia pontuar nas infiltrações e buscava fazer uma defesa muito forte, não conseguiu fazer nenhuma das duas coisas no segundo quarto. A equipe parecia ter perdido o foco nesse quarto.

Mal sabia eles, que esse quarto seria decisivo para o resultado final.

O time do Queimados que não tem nada a ver com isso, aproveitou bem e conseguiu vencer o quarto por 15-3.

Na volta do intervalo, a confiança que o time de Queimados conseguiu por causa do segundo quarto, ajudou demais a equipe a manter o bom ritmo no ataque. Foi o momento ideal para aparecer o grande destaque da equipe e do jogo: Gabriel Victor. Ele terminou a partida com 20 pontos, 3 rebotes e 4 assistências.

O time do VQN ainda tentou reagir no último quarto, mas mesmo a equipe do Queimados fazendo um quarto abaixo do esperado naquele momento, o time do Gabriel conseguiu segurar a vitória até o final.

Na tarde desse domingo, teve a primeira partida da final do Campeonato Estadual Amador entre Club Municipal e o Kobras Basketball. Nesse primeiro confronto, o time do Municipal venceu por 89-78 e abriu a série com uma ótima vitória.

A partida começou com a tensão de uma grande final. A equipe do Municipal, que estava jogando em casa, deu o seu cartão de visitas logo no início do jogo. Pontuando bem no perímetro com o Daniel e bolas do mid-range. O poder ofensivo no começo foi tão grande, que o time da casa abriu 11-0 e só aos sete minutos o time do Kobras começou a pontuar.

Depois do apagão inicial, a equipe conseguiu colocar uma run de 6-0. Mas o ataque do Municipal funcionava muito bem desde o começo. Com boas jogadas individuais do Rogger e Daniel, o Municipal conseguia se manter com uma boa diferença no placar.

Se o Municipal deu o seu cartão de visita no primeiro quarto, o Kobras mostrou o porquê é o atual campeão e um dos melhores times dessa temporada. A vantagem que chegou a ser de 12 pontos para o time da casa, o Kobras com os seus valores individuais, reduziu para 5 rapidamente.

Na metade do segundo quarto, já era uma nova partida. O Kobras marcando bem no perímetro, pontuava bem quando fazia infiltrações laterais e via o Marcelão aparecer com suas bolas de 3 pontos. O Municipal parecia sentir o ritmo forte que o Kobras começava a impor no jogo.

Porém, nos três minutos antes de ir para o intervalo, o Municipal se recompôs em quadra e voltou a achar os espaços na defesa do Kobras. O jogo do time liderado pelo Gabriel Dutra que era no perímetro no início da partida, mudou para as infiltrações. A marcação do Kobras no perímetro, conseguia conter o Municipal. Mas o time tinha dificuldades de marcar as infiltrações. O Municipal foi para o intervalo vencendo por 39-34.

Na volta para o segundo tempo, o jogo ganhou tons de uma final tão esperada por todos. Os times trocavam pontos a todo o momento. Quando o Municipal fazia uma bola de 3, o Kobras respondia com a mesma moeda. Se o Municipal fazia uma boa infiltração que resultava em um “and one”, o Kobras respondia logo em seguida.

Quando falamos sobre as duas equipes pontuar bem, é natural pensar no Daniel (Municipal) e no Marcelão (Kobras) e foi justamente isso que aconteceu.

O Daniel jogou como um digno MVP. Um scorer de alto nível, que assumiu bem o papel de liderança em diversos momentos da partida. Em momentos que o Municipal parecia diminuir o ritmo, o Daniel pedia a bola e conseguia resolver e colocar a equipe no caminho correto da partida. Ele terminou com 28 pontos.

Pelo lado do Kobras, Marcelão mais uma vez foi dominante nos dois lados da quadra. Ele entregou o que se espera dele. Pegou rebotes pontuais, converteu alguns arremessos de 3 pontos e foi um líder dentro de quadra. Bem verdade, que ele não fez a sua melhor partida. Mas foi de longe o melhor jogador da equipe. Marcelão terminou com 20 pontos, 20 rebotes e 2 assistências.

Entre arremessos trocados de ambos os lados, em nenhum momento o Municipal perdeu a liderança no segundo tempo e a equipe conseguiu segurar bem o Kobras até o fim.

No fim, o Municipal consegue se manter invicto dentro de casa e abre 1-0 na grande final.

Sexta, 24 Novembro 2017 03:08

Copa Baixada 2017-18 começa nesse sábado

Written by

Nesse sábado, começa a edição da Copa Baixada 2017-18. A competição prioriza os times da baixada fluminense, tendo o Anchieta como o grande convidado.

Os grupos já estão definidos e são esses:

GRUPO A

  • VQN
  • Bad Angels
  • BMC
  • Anchieta Fears
  • Queimados Warriors
  • Chatuba

GRUPO B

  • Meriti Falcons
  • Rappers
  • The Brothers
  • Atlântico
  • Santo Elias
  • Strong TX

O primeiro jogo da competição será entre Queimados contra VQN. Jogo que será disputado no Iguaçu Basquete Clube.

No domingo, teremos mais duas partidas, entre The Brothers vs Meriti Falcons e Santo Elias vs Strong TX.

Fique ligado no site, que todas as informações sobre a Copa Baixada você terá aqui.

No domingo, o Kobras Basketball e o LDJ se enfrentaram pela terceira e última vez no Estadual Amador. No fim, o Kobras conseguiu uma boa reação e venceu o LDJ por 66-54.

Antes da partida começar, era laro que seria mais uma grande partida dessa semifinal. O LDJ vem fazendo um playoff muito forte e mostrando que não chegou por um acaso nessa semifinal.

Vimos isso, na primeira partida em que o time conseguiu vencer bem o Kobras, atual campeão, no Jequiá Iate Clube.

Já o Kobras, chegou a essa semifinal por tudo o que fez na temporada regular e por ter sido o campeão no ano passado. Era difícil não colocar a equipe comandada pelo Binato e companhia como a equipe a ser batida nesse campeonato.

O time sofreu no primeiro jogo, mas na segunda partida o time parece ter entrado mais focado e consegui superar bem o LDJ.

O jogo teve o mesmo enredo que as partidas anteriores. O LDJ consegui impor um bom ritmo desde o início, usando bem a transição defesa-ataque e o trabalho dentro do garrafão com o Arthur Meireles (10 pontos e 8 rebotes) e o João Marchon (13 pontos e 6 rebotes).

Na primeira partida entre eles, o LDJ conseguiu segurar até o final e na segunda partida o Kobras conseguiu se recuperar rapidamente.

Nesse jogo, o LDJ se saiu bem no garrafão mas sentiu muita falta do Carlos, Nilo e André. Os três são peças importantes dessa equipe e parecia que esse jogo não estava encaixando com as movimentações deles. Os três jogadores, somaram para 20 pontos. Algo bem abaixo para uma semifinal.

O Kobras também não começou nada bem a partida e não porque estavam jogando mal. O time criava boas jogadas, mas pecava na finalização e via o seu adversário aproveitar muito bem as oportunidades que surgiam.

Era tão evidente isso, que quando o Kobras passava no placar, o LDJ conseguia se recuperar rapidamente e ao contrário, parecia penoso para o atual campeão reverter o jogo.

O jogo em sim, foi bem parelho e tenso entre os dois times. As equipes lutavam bastante por cada jogada e por cada posse de bola.

A partida ganhou tons dramáticos no fim. Até o meio terceiro quarto, parecia que seria difícil para o Kobras reverter o jogo e fazer a final contra o Municipal.

Mas os arremessos que não caíram no início do jogo, começaram a cair e tudo mudou.

Após três bolas seguidas de 3 pontos, o time do Kobras entrou de vez na partida e cada jogada favorável a equipe, era comemorada como se fosse a última bola do jogo.

Aos poucos, essa empolgação foi minando o time do LDJ. Que começou a errar arremessos que não erraram no primeiro tempo e sentir a pressão do Kobras.

Foi nesse momento que apareceu o Vinicius Franciscone, MVP da temporada passada e o Marcelão. O Vini foi consistente desde o início, fazendo bons layups e finalizando bem do mid-range. O Marcelão entregou o que todos esperam, rebotes importantes. Ele foi fundamental na briga pelos rebotes e um líder nato dentro de quadra.

O Kobras usou bem a experiência ao seu favor e conseguiu controlar bem o jogo até o final.

Com essa vitória, o Kobras vai enfrentar o Club Municipal na primeira partida da final do Campeonato Estadual Amador no dia 26 desse mês.

Após a partida, pude conversar com o Vitor Damasceno (LDJ) sobre essa semifinal e a temporada da equipe.

“Foi uma grande série. Jogamos bem, mas talvez não soubemos saber trabalhar bem com um placar adverso. O Kobras soube trabalhar bem o jogo todo, mesmo estando atrás boa parte do jogo e após as três cestas de 3 pontos seguidas, eles usaram bem a experiência para segurar o jogo. ”

“Estou muito feliz com o nosso desempenho nessa temporada. Crescemos no final, fizemos um ótimo playoff e agora nos resta é pensar na temporada que vem. Como jogamos bem, é normal outras equipes querem os nossos jogadores e vamos tentar manter essa mesma equipe para o ano que vem. “

Já o Tiago Binato (Kobras), falou sobre essa semifinal e sobre a final contra o Municipal no próximo final de semana:

“Sabíamos que seria uma série duríssima. O LDJ é muito bom e fez grandes jogos contra a gente. Temos que dar os parabéns para eles. “

“Claramente sentimos falta do Renan [ex-treinador] e estamos jogando os playoffs desfalcados. Tivemos alguns problemas dentro e fora de quadra, mas tudo foi resolvido. Vamos para o jogo contra o Municipal, tentando jogar o nosso melhor e acreditamos que vai ser mais uma série duríssima. “

Página 1 de 5
Top