Criação da LSB em 2007: Bruno Tapajós e Bruno Space participam da competição desde o início

A Liga Super Basketball – LSB foi criada em 2007 com o objetivo de atender aos clubes com menor poder aquisitivo, pequenas associações esportivas e times de amigos de bairro. A ideia era oferecer um campeonato de baixo custo, com organização e que fosse uma forma de entretenimento para atender ao público do basquete amador do Rio de Janeiro, que sempre foi muito grande, mas, não tinha a oportunidade de participar de competições oficiais. No início, apenas times adultos jogavam, mas com o tempo vieram as competições de base, as femininas e o máster atingindo assim a maior parte dos amantes de basquete. Hoje são mais de 100 times por temporada, cerca de 600 à 700 jogos por ano em todo o estado do RJ.

Além dos organizadores que estão presentes desde o início, vários jogadores e técnicos também participam da Liga desde 2007. É o caso do Bruno Tapajós e do Bruno Space.

Bruno Tapajós começou no basquete por causa do irmão mais velho, iniciou sua trajetória ainda na escola, onde conheceu alguns amigos que praticavam o esporte. Nesse meio tempo, conheceu Marcos e Guilherme, organizadores e gestores da LSB, onde, através dessa amizade soube da criação da Liga e formou um time para participar da primeira edição da competição.

Ao encerrar sua vida escolar e atingir a maioridade, Bruno se viu sem muitas opções de campeonatos para participar. Com a criação e o crescimento da LSB, esse cenário mudou. “Não imaginaríamos que a LSB ganharia toda essa proporção e importância no basquete do Rio de Janeiro. Aquela idéia inicial de apenas prestigiar o evento ficou de lado, e atualmente, a Liga se tornou parte da minha vida, fico sempre esperando o início de cada temporada, porque no cenário atual do Basquete no Rio, nada se compara com a estrutura e suporte da LSB.” Disse Bruno.

O Jogador falou sobre sua participação desde o início: “É uma grande honra ter participado de todas as edições, pois os fundadores são amigos de longa data. Conheci o Marcos na época que ainda jogava e o Guilherme foi meu treinador quando tinha 16 nos. Quando ambos anunciaram a criação da LSB, não poderia recusar o convite para jogar a competição e principalmente, prestigiar a iniciativa de criá-la.”

Bruno fez parte dos times do IBC, Santo Elias, 50 Basketball, Vila da Penha e o VQN, onde joga atualmente. O jogador finalizou destacando a ligação entre sua história no basquete e a criação da LSB. “A história da LSB, está muito ligada à minha fora das quatro linhas da quadra, pois, foi na Liga que iniciei minha vida como técnico de Base, com a equipe DUQUE KINGS “DK”, e onde também foi fundado o DK Feminino adulto, no qual participamos da 1° Liga Feminina da LSB e nos consagramos campeões. Atualmente somos a única equipe feminina que Está na Liga, desde a sua criação.”

Bruno Tapajós

Bruno Space iniciou sua trajetória na Liga como treinador, montou dois times para participar da primeira edição em 2007 devido ao grande número de jogadores que havia no Iguaçu Basquete Clube, o IBC I e o IBC II. Nos anos seguintes foi jogador de algumas equipes, como o Basquete Queimados, Queimados Warriors, Bad Angels de Nova Iguaçu, atuou também como técnico da seleção da Liga, voltou a jogar pelo Queimados Warriors, esteve no comando do Basquete Queimados nas categorias de base, e no adulto jogava pelo Bad Angels, e pelo Queimado Warriors, alternando a cada ano.

O treinador e jogador viu então a necessidade de criar uma nova equipe, o Team Space, onde foi vice campeão em 2019 e joga a temporada atual. São ex-atletas e atletas que resolveram montar um super time para jogar e participar das competições, esse ano vão disputar a Liga A, o campeonato estadual amador, a Liga B, e estão na semifinal da Copa Baixada também.

Bruno falou da sua percepção sobre o crescimento da LSB: “Cada ano foi melhor que o outro, a Liga sempre tentava renovar, inovar, e acredito muito que se não fosse a Liga Super Basketball, o basquete carioca estaria igual a quando se iniciou ou muito pior. A Liga resgatou a cultura do esporte que estava desiludida, desenganada, ninguém gostava mais de jogar basquete, poucos atletas ainda insistiam em participar de competições fora, por ser cara, ou por falta de acesso, era muito elitizado jogar um Estadual, jogadores novos, com qualidade não tinham oportunidade, então a Liga proporcionou tudo isso. Eu estou no meu projeto em Queimados há 11 anos, e todos os meus atletas começaram na LSB, tenho atletas profissionais, de nível nacional por exemplo. Se não fosse pela Liga, seria muito difícil eu conseguir levar meu atletas além.”

Bruno Space

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *